Home Artigos Lembrança dos mártires Cristãos mortos pelo Islã

Lembrança dos mártires Cristãos mortos pelo Islã

autor: Últimos Acontecimentos

Um memorial para os 21 mártires cristãos que foram massacrados pelo Estado Islâmico por se recusarem a renunciar à sua fé foi inaugurado no dia 15 de fevereiro passado, no aniversário de cinco anos da tragédia, que ocorreu na Líbia em 2015. Na foto acima, ele é composto por 21 estátuas ajoelhadas, cada uma modelada após o aparecimento de um dos mártires, com uma grande estátua de Cristo atrás deles, os braços abertos em um abraço de salvação. Este memorial fica na vila egípcia de Al Our, de onde vieram muitos cristãos coptas mortos.

No dia seguinte ao estado islâmico ter divulgado o vídeo do massacre, o bispo ortodoxo copta Anba Antonios Aziz Mina disse: “[No] produto diabólico de dramaturgia e horror sedentos de sangue, alguns mártires podem ser vistos claramente no momento de sua bárbara execução ‘Senhor, Jesus Cristo!’ O nome de Jesus foi a última palavra deles. Como a paixão dos primeiros mártires, eles confiaram a Ele, que momentos depois os acolheria em seu abraço. Foi assim que eles celebraram sua vitória, uma vitória da qual nenhum carrasco jamais poderia roubá-los. Com esse nome, sussurrado no final, o martírio deles foi selado.

Os mortos são, em última análise, reflexões modernas de um fenômeno antigo (e contínuo) que permeia quase quatorze séculos de história: muçulmanos massacrando cristãos que se recusam a renunciar a Cristo e abraçar Muhammad.

De fato, no início deste mês, em 6 de março, foi comemorado o martírio de outros 42 cristãos. Eles também foram decapitados – 1.171 anos antes da metade de seu número (os 21 mártires de 2015) serem executados em circunstâncias muito semelhantes. Conhecidos como os 42 mártires de Amorium, sua história dramática segue:

Em 838, o califa al-Mu’tasim – à frente de oitenta mil soldados escravos – invadiu Amorium, uma das maiores e mais importantes cidades do Império Romano do Oriente. Eles o queimaram e arrasaram no chão e mataram incontáveis; em todos os lugares havia “corpos empilhados em pilhas”, lembra um cronista. Os invasores trancaram aqueles que buscavam santuário dentro de suas igrejas e incendiaram os prédios; cristãos presos podiam ser ouvidos chorando kyrie eleison – “Senhor, tenha piedade!” em grego – enquanto está sendo queimado vivo. Histéricas “as mulheres cobriam seus filhos, como galinhas, para não se separarem deles, nem por espada nem por escravidão”.

Cerca de metade dos setenta mil cidadãos da cidade foram abatidos, o restante foi acorrentado. Havia um excesso de espólio humano que, quando o califa encontrou quatro mil prisioneiros, ele ordenou que fossem executados no local. Porque “havia tantos conventos e mosteiros de mulheres” nesta populosa cidade cristã, “mais de mil virgens foram levadas ao cativeiro, sem contar as que foram massacradas. Eles foram entregues aos escravos mouros e turcos, para amenizar sua luxúria”, lamenta o cronista.

Quando o jovem imperador, Teófilo (r. 829–842), ouviu falar sobre o saque de Amorium – sua cidade natal, escolhida pelo califa por essa mesma razão, para causar ainda mais a dor -, ele ficou doente e morreu três anos depois, 28 anos, supostamente de tristeza. Enquanto isso, o poeta muçulmano Abu Tammam (805‐845) comemorou o triunfo do califa, pois “Você deixou a sorte dos filhos do Islã em ascensão, e os politeístas [cristãos] e a morada do politeísmo em declínio”.

Entre os muitos cativos levados para o Iraque, havia 42 notáveis, a maioria das classes militar e clerical. Devido ao seu status de prestígio e para torná-los troféus do Islã, eles foram repetidamente pressionados a se converter:

Durante os sete anos de prisão, seus captores tentaram em vão convencê-los a renunciar ao cristianismo e aceitar o islamismo. Os cativos resistiram teimosamente a todas as suas ofertas sedutoras e corajosamente resistiram a ameaças terríveis. Depois de muitos tormentos que não conseguiram quebrar o espírito dos soldados cristãos, eles os condenaram à morte, na esperança de abalar a determinação dos santos antes de executá-los. Os mártires permaneceram firmes…

Curiosamente, alguns dos argumentos usados ​​pelos muçulmanos indicam que eles reconheceram Cristo como o Príncipe da Paz e Muhammad como o Senhor da Guerra – e fizeram isso com grande efeito. Um Theodore, um clérigo cristão que lutou em defesa de Amorium, foi incitado da seguinte forma: “Sabemos que você abandonou o cargo sacerdotal, tornou-se soldado e derramou sangue [dos muçulmanos] em batalha. Você não pode ter esperança em Cristo, a quem abandonou voluntariamente, então aceite Maomé.” Theodore respondeu: “Você não fala sinceramente quando diz que eu abandonei a Cristo. Além disso, deixei o sacerdócio por causa de minha própria indignidade. Portanto, devo derramar meu sangue por causa de Cristo, para que Ele perdoe os pecados que cometi contra ele.”

No final, ninguém se retrataria; e assim, em 6 de março de 845, após sete anos de tortura e tentação falharem em submetê-los a Muhammad, todos os 42 cristãos foram – como seus 21 descendentes espirituais, os mártires de 2015 – também marcharam para um corpo de água, o Eufrates Rio, decapitado ritualmente, e seus corpos despejados no rio.

Quando se trata da perseguição muçulmana aos cristãos, passados ​​e presentes, algumas coisas aparentemente nunca mudam.

Fonte: Breaking Israel News.

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

30 de março de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário