Home Últimas Notícias ONU tenta esconder seu apoio a Antifa

ONU tenta esconder seu apoio a Antifa

autor: Últimos Acontecimentos

Na sexta-feira, os “especialistas” das Nações Unidas divulgaram um comunicado criticando a decisão do governo Trump de rotular os violentos protestos de Antifa como terrorismo doméstico. A ONU afirmou que os violentos tumultos, saques e aquisições armadas de uma grande parte de Seattle foram protegidos por “direitos à liberdade de expressão e à reunião pacífica.

“O direito internacional dos direitos humanos protege o direito à liberdade de expressão, associação e reunião pacífica”, disse Fionnuala Ní Aoláin, relator especial da ONU para a promoção e proteção dos direitos humanos e liberdades fundamentais, combatendo o terrorismo. “É lamentável que os Estados Unidos tenham decidido responder aos protestos de uma maneira que comprometa esses direitos fundamentais”.

O tweet foi publicado inicialmente na página do Twitter da ONU junto com uma imagem da bandeira da Antifa, mas após uma onda de reações negativas na plataforma de mídia social, a imagem foi removida. É interessante notar que, na semana passada, o Facebook removeu um post do presidente Trump que incluía o símbolo da Antifa. O Facebook justificou a ação dizendo que o símbolo foi usado pelos nazistas. 

Durante os protestos em andamento de George Floyd e os tumultos e saques coincidentes, o presidente Trump e o procurador-geral William Barr culparam Antifa por orquestrar os protestos em massa, repetindo a chamada para rotular o grupo de terroristas domésticos.

“É hora de parar de assistir à violência e confrontá-la e detê-la. A contínua violência e destruição de propriedades colocam em risco a vida e os meios de subsistência de outras pessoas e interferem nos direitos de manifestantes pacíficos, bem como de todos os outros cidadãos”, afirmou AG Barr no mês passado.

Na carta da ONU, a atual Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, expressou preocupação “em relação à discriminação estrutural de raça nos EUA, principalmente no campo do policiamento”. Ela observou que rotular o violento movimento de Antifa como terrorismo doméstico “apenas aumentaria as divisões e acentuaria as tensões, alimentando outras violações dos direitos humanos”.

Após a declaração, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas concordou na sexta-feira em encomendar um relatório sobre racismo sistêmico e discriminação contra negros americanos.

secretário de Estado dos EUA, Michael R. Pompeo, bateu a declaração da ONU, dizendo que “marca uma nova baixa”.

“Se o Conselho levou a sério a proteção dos direitos humanos, há muitas necessidades legítimas de atenção, como as disparidades raciais sistêmicas em lugares como Cuba, China e Irã”, afirmou Pompeo em comunicado neste sábado.

Em 2018, o governo Trump retirou-se do Conselho de Direitos Humanos da ONU. O então embaixador dos EUA nas Nações Unidas, Nikki Haley, disse na época: “Este passo não é uma retirada dos compromissos de direitos humanos. Pelo contrário, damos esse passo porque nosso compromisso não nos permite permanecer parte de uma organização hipócrita e egoísta que zomba dos direitos humanos.”

Embora afirme se opor ao fascismo, Antifa, na verdade um conglomerado frouxo de grupos autônomos informais, não tenta ocultar sua agenda de ação direta violenta ao invés de reforma política. Essa ação envolve danos materiais, violência física e assédio contra aqueles que consideram fascistas, racistas e de extrema-direita. Os indivíduos envolvidos no movimento tendem a ter visões anticapitalistas, subscrevendo uma série de ideologias de esquerda, como anarquismo, comunismo, social-democracia e socialismo. 

Nancy Pelosi, então líder da minoria da Câmara no Partido Democrata, condenou a violência de ativistas da Antifa em Berkeley em agosto de 2017 e em julho de 2019, os senadores republicanos Bill Cassidy e Ted Cruz apresentaram uma resolução que designaria a Antifa como organização terrorista doméstica. 

Fonte: Breaking Israel News.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

23 de junho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário