Home Israel Autoridade Palestina oferece a Israel Estado militarizado baseado nas linhas do armistício de 1967

Autoridade Palestina oferece a Israel Estado militarizado baseado nas linhas do armistício de 1967

autor: Últimos Acontecimentos

A Autoridade Palestina (PA) escreveu uma carta na segunda-feira ao Quarteto sobre o Oriente Médio, dizendo que eles estão prontos para renovar as negociações com Israel enquanto concordam em “pequenas trocas territoriais”, segundo relatos do Ynet News na noite de segunda-feira.

O Quarteto no Oriente Médio é um grupo de quatro, incluindo as Nações Unidas, a Rússia os EUA e a União Europeia encarregada de mediar as negociações israelenses – “palestinas”.

De acordo com a Ynet News, a mensagem que pode ser considerada uma resposta ao plano de paz do presidente Donald Trump, diz que os palestinos estão “preparados para renovar as conversas diretas” depois de uma parada esmagadora em 2014.

No início deste mês, o primeiro-ministro da PA Mohammad Shtayyeh disse que seu governo preparou uma resposta ao Acordo do Século de Trump. Contudo, é a primeira vez que a Autoridade Palestina expressa vontade de negociar diretamente com Israel.

Ramallah acrescentou que sua contra-oferta não será mais válida se Israel iniciar anexação unilateral “de qualquer parte do território palestino”.

A carta também afirma que “ninguém tem interesse em chegar a um acordo de paz como os palestinos, e ninguém tem mais a perder por falta de paz do que os palestinos”.

O documento destaca o que a Autoridade Palestina estaria disposta a tolerar em um possível acordo de paz, acrescentando que eles estão “dispostos a ter um estado com uma quantidade limitada de armas e com uma forte força policial para manter a lei e a ordem”. A Autoridade Palestina acrescentou que aceitaria um observador internacional, como a OTAN, para receber um mandato da ONU para supervisionar a execução potencial do acordo de paz, caso ele se concretizasse.

O documento também menciona trocas de terras, recomendando “pequenas trocas territoriais, baseadas nas fronteiras de 4 de junho de 1967” ou antes da Guerra dos Seis Dias.Ramallah rejeitou as trocas territoriais oferecidas pelo plano de paz de Trump, que se traduz em anexar até 30% da Judéia-Samaria, um processo que Netanyahu tem defendido.

Fonte: Breaking Israel News.

30 de junho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário