Home Israel Inteligência alemã diz que o Irã ‘promove massivamente o anti-semitismo, o ódio por Israel’

Inteligência alemã diz que o Irã ‘promove massivamente o anti-semitismo, o ódio por Israel’

autor: Últimos Acontecimentos

A agência de inteligência doméstica da cidade-estado de Berlim divulgou quinta-feira em um novo relatório sobre o anti-semitismo que o regime clerical do Irã é um dos principais patrocinadores do ódio aos judeus.

“O anti-semitismo e o ódio por Israel também foram massivamente promovidos pela República Islâmica do Irã. O líder da revolução iraniana, o aiatolá [Ruhollah] Khomeini, já descrevia Israel como o “pequeno Satanás” e pedia abertamente a destruição de Israel. O anti-semitismo faz parte da ideologia estatal do Irã desde [a fundação da República Islâmica] e é regularmente alimentado por declarações de representantes do estado ”, escreveram os funcionários da inteligência.

O Jerusalem Post revisou o documento de 49 páginas que narra as várias formas de anti-semitismo na Alemanha. 

O governo dos EUA foi além na classificação do anti-semitismo patrocinado pelo Estado pelo regime iraniano. Em janeiro, o enviado especial dos EUA para monitorar e combater o anti-semitismo Elan Carr disse em um esforço global da Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) para combater o anti-semitismo, ouvindo que “o Irã não é apenas o principal patrocinador estatal de terrorismo do mundo, é o chefe do mundo. traficante no anti-semitismo. A República Islâmica do Irã promoveu dogmas anti-semitas em todo o Oriente Médio e em todo o mundo muçulmano além do Oriente Médio. ”

As administrações dos EUA sob Obama e Trump classificaram o regime iraniano como o pior patrocinador estatal do mundo em terrorismo.

O relatório de Berlim observou que o político extremista de direita alemão Udo Voigt, que é considerado um neonazista, demonstrou apoio ao regime do Irã. “Em sua função como ex-deputado ao Parlamento Europeu do NPD [Partido Nacional Democrata], Udo Voigt, por exemplo, mostrou regularmente solidariedade com o regime iraniano”, afirmou o relatório.

O documento de inteligência acrescentou que “Além disso, ele manteve contatos oficiais com o Hezbollah libanês, que… é classificado pela União Européia (UE) como uma organização terrorista. Em 2018 e 2019, ele viajou para o Líbano com outros extremistas de direita europeus para reuniões oficiais com representantes do Hezbollah. Em suas declarações sobre as reuniões, o Hezbollah é descrito como um ‘fator-chave’ no Oriente Médio.”

O relatório dizia que “o desenvolvimento do anti-semitismo moderno também está associado ao fortalecimento dos movimentos islâmicos. A partir da década de 1970, o pensamento islâmico tornou-se particularmente atraente, principalmente nos Estados-nações árabes. Depois que os conceitos de nacionalismo, pan-arabismo e até socialismo fracassaram, era relativamente fácil para os islâmicos propagarem a superioridade de um sistema social “islâmico”. O fortalecimento dos movimentos islâmicos também foi promovido pela revolução iraniana em 1979, como resultado do qual o Irã se estabeleceu como portador estatal da ideologia islâmica.”

Post informou na segunda semana de junho que o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha reverteu sua posição que anteriormente rotulava os apelos do regime iraniano de exterminar o Estado judeu como apenas “retórica anti-Israel”, dizendo ao Post que o idioma de Teerã é anti-semita.

O canal de notícias do regime pró-Síria Al-Masdar News (AMN) informou em junho que o comandante-chefe do Corpo de Guarda Revolucionário Islâmico Iraniano (IRGC), major-general. Hussein Salami, pediu a “eliminação” do estado judeu.

Quando o Post perguntou ao ministro das Relações Exteriores alemão Heiko Maas sobre as declarações de Salami, o Ministério das Relações Exteriores disse: “Tais declarações são absolutamente inaceitáveis. Nós condenamos veementemente a reivindicação pela aniquilação de Israel, legitimando o terrorismo e disseminando conteúdo anti-semita.”

Fonte: The Jerusalém Post.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

30 de junho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário