Home Israel Boris Johnson: O Reino Unido não reconhecerá anexação israelense unilateral

Boris Johnson: O Reino Unido não reconhecerá anexação israelense unilateral

autor: Últimos Acontecimentos

Em um artigo no jornal Yediot Aharonot na quarta-feira, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson fez um apelo ao governo de Israel para não anexar partes da Cisjordânia e, em vez disso, retornar à mesa de negociações.

A quarta-feira marcou a primeira data prometida pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para estabelecer soberania sobre partes da Cisjordânia.

“Existe outro caminho”, insistiu Johnson, pressionando pela renovação das negociações de paz entre palestinos e israelenses.

“Embora eu compreenda a frustração sentida por ambos os lados, é nosso dever aproveitar a energia deste momento para retornar outra vez à mesa de negociações e buscar uma solução. Isso exigirá compromissos de ambos os lados”. disse Johnson.

“Não estou subestimando os desafios que se colocam no caminho de alcançar uma paz duradoura. Mas ainda acredito que a única maneira de obter segurança verdadeira e duradoura para Israel, a terra natal do povo judeu, é através de uma solução que permita justiça e segurança para israelenses e palestinos”, enfatizou Johnson no artigo de Yediot Aharonot . “Eu me recuso a acreditar que isso é impossível.”

“Estou orgulhoso da contribuição da Grã-Bretanha para o estabelecimento de Israel com a Declaração de Balfour em 1917. Mas permanecerá inacabada até que seja encontrada uma solução que forneça justiça e paz duradouras para israelenses e palestinos”, alertou Johnson. “A única maneira de conseguir isso é que ambos os lados retornem à mesa de negociações. Esse deve ser o nosso objetivo. A anexação apenas nos distanciará.”

O primeiro-ministro britânico destacou que a Grã-Bretanha é um dos poucos estados membros das Nações Unidas que apóia e defende Israel “de críticas injustificadas e totalmente desproporcionais”.

“Eu sou um defensor ardente de Israel. Existem poucos objetivos mais próximos do meu coração do que garantir que seus cidadãos sejam protegidos da ameaça de terror e incitamento anti-semita. A Grã-Bretanha sempre apoiou Israel e é certo que exista em paz e segurança – como qualquer outra nação”, escreveu Johnson.

“Acompanhei com muita tristeza as propostas para anexar o território palestino. Como amigo, admirador e apoiador de Israel por muitos anos, temo que essas propostas não atinjam seu objetivo de garantir as fronteiras de Israel e sejam até contra [de Israel] interesses de longo prazo”.

O primeiro-ministro alertou que os planos de anexar partes da Cisjordânia violariam o direito internacional e ameaçariam os esforços de segurança e paz de Israel.

“A anexação seria uma violação do direito internacional”, disse Johnson, acrescentando que a Grã-Bretanha não reconheceria mudanças nas linhas de 1967, a menos que sejam acordadas entre palestinos e israelenses. “Espero do fundo do meu coração que a anexação não aconteça.”

Johnson alertou que a anexação colocaria em risco a melhoria das relações entre Israel e o mundo árabe e muçulmano. “Os inimigos de Israel tirarão vantagem dessa situação e a usarão contra qualquer pessoa que anseie por progresso no Oriente Médio”, acrescentou Johnson.

Fonte: The Jerusalém Post.

01 de julho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário