Home Israel George Soros trabalhando em estreita colaboração com o Irã contra EUA e Israel

George Soros trabalhando em estreita colaboração com o Irã contra EUA e Israel

autor: Últimos Acontecimentos

Embora seja de conhecimento público que o bilionário judeu George Soros financie muitos projetos de esquerda e até grandes organizações anti-Israel, sua estreita relação de trabalho com o Irã é talvez menos conhecida. 

Soros nasceu em Budapeste, Hungria, em 1930, de uma família judia próspera e não observadora e passou pelo Holocausto ainda jovem. Sua família sobreviveu à guerra comprando documentos para dizer que eram cristãos. Em 1947, Soros imigrou para a Inglaterra. Até a eleição presidencial de 2004, Soros não era um grande doador para campanhas políticas americanas. Ele então doou mais de US $ 23 milhões no esforço de derrotar George W. Bush. Soros mais tarde se tornou um defensor da campanha de Barack Obama e Hillary Clinton. Ele também contribui com quantias significativas para causas liberais.

Em 2018, ele tinha um patrimônio líquido de US $ 8 bilhões, tendo doado mais de US $ 32 bilhões para o Open Society Foundations (OSF). O objetivo declarado da OSF é “trabalhar para construir democracias vibrantes e tolerantes, cujos governos sejam responsáveis ​​e abertos à participação de todas as pessoas”. Em 2020, o orçamento total da OSF era de US $ 1,2 bilhão.

Israel é o foco principal dos esforços de Soros, alocando US $ 34,3 milhões em programas no Oriente Médio. Segundo a ONG Monitor, a OSF concedeu doações a várias ONGs altamente tendenciosas e politizadas ativas no conflito árabe-israelense, incluindo ONGs palestinas com vínculos com organizações terroristas. Isso inclui destinatários que negam a legitimidade de Israel e a soberania judaica e estão envolvidos em campanhas de demonização. Outros donatários da OSF são organizações baseadas em TS que promovem campanhas de sanções de desinvestimento de boicote (BDS) contra Israel.

Um documento vazado da OSF mostra que a estratégia da OSF em relação a Israel é “focar em aumentar o custo da ocupação e acabar com ela, por um lado, e na defesa e defesa dos direitos humanos, por outro.”

Soros criticou fortemente as políticas israelenses e americanas em relação aos palestinos, especificamente a recusa em aceitar a participação do Hamas em um governo palestino. Soros também acusou a AIPAC, a organização de lobby pró-Israel de “pôr em perigo” a existência de Israel, e fez comparações entre Israel e a Alemanha nazista.

Além de trabalhar com democratas e ONGs anti-Israel, a OSF também trabalha com o regime iraniano há algum tempo. Em 2018, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse ao parlamento que a cooperação com a OSF era anterior à sua posse.

“O regime do Irã tem trabalhado em estreita colaboração com a Open Society Foundation (OSF), fundada pelo bilionário americano George Soros, disse o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, na sessão de perguntas e respostas no parlamento do Irã, informou a BBC Persian.

“A colaboração do regime do Irã com a OSF foi anterior à minha posse, o que significa que já dura mais de cinco anos”, afirmou Zarif. Zarif fez as observações em resposta a perguntas levantadas no parlamento iraniano. “A atividade começou antes de eu entrar na minha posição atual, eu me gabava disso e consegui manter a atividade limitada e organizada”, continuou Zarif.

Zarif afirmou que a OSF estava legalmente operacional no Irã, com colaborações significativas com os conselhos municipais e outras organizações.

Em um relatório de 2008 publicado pela Agência Oficial de Notícias da República Islâmica (IRNA), foi relatado que o presidente Mohammad Khatami e Zarif se encontraram com George Soros duas vezes em 2006 com o objetivo de “substituir o regime religioso [no Irã] pelo secularismo”.

Os esforços de Soros para secularizar o Irã renderam a ele a ira do Supremo Governador do Irã, aiatolá Khamenei, que, em uma entrevista de 2017, o chamou de ” aquele rico sionista americano”.

“Se alguém quiser se levantar contra a segurança da nação, encontrará uma reação firme”, disse Khameini na entrevista.

Ironicamente, o termo “sionista” é claramente considerado um insulto grave tanto pelo aiatolá quanto pelo bilionário judeu.

No ano passado, uma doação de US $ 500.000 por Soros e uma concessão do Instituto Charles Koch lançaram o Quincy Institute for Responsible Statecraft. Trita Parsi e os outros quatro co-fundadores do grupo, Andrew Bacevich, Stephen Wertheim, Eli Clifton e Suzanne DiMaggio, são todos defensores de acordos pró-Irã, bem como críticos duros da política externa dos EUA e de Israel. Parsi é o ex-presidente do Conselho Nacional Iraniano-Americano, acusado de fazer lobby em nome da República Islâmica do Irã. Ele também atuou como  intermediário entre os governos do Irã e dos EUA durante as negociações do acordo nuclear lideradas por Obama. Um dos objetivos do thinktank é propagar- se para a restauração da política de Obama em relação ao Irã.

Fonte: Breaking Israel News.

07 de julho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário