Home Guerras O ouro azul: Arma secreta da Turquia para pressionar a Síria

O ouro azul: Arma secreta da Turquia para pressionar a Síria

autor: Últimos Acontecimentos

Em um novo ato desumano contra a Síria, a Turquia cortou a água do rio Eufrates e colocou o norte da Síria à beira de uma catástrofe humanitária.

Depois que o Exército Sírio recuperou o controle da maioria das áreas ocupadas por terroristas, a Síria parecia estar encerrando um capítulo sombrio no conflito armado extremamente grave que deixou centenas de milhares de mortos, a maioria deles civis.

A intervenção estrangeira não permite que os sírios sonhem com a paz que almejam, nem com um padrão de vida decente, nem com segurança, e seu impacto está longe de ser reduzido; na verdade, a população civil é novamente o principal perdedor de essa intervenção.

O aumento das medidas hostis da Turquia na região levou as reservas e projeções da Síria à beira do colapso, marcado por um conflito armado que já havia entrado em seu décimo ano, o que aumenta um problema de grandes dimensões no curto prazo para civis sírios e iraquianos que vivem ao longo dos rios Eufrates e Tigre.

Por vários meses, a quantidade de água do Eufrates que flui da Turquia para a Síria atingiu menos de um quarto da quantidade acordada entre Damasco e Ancara em 1987. Naquela época, os dois lados chegaram a um acordo provisório, segundo o dos quais, o nível do fluxo de água para a Síria não deve ser inferior a 500 metros cúbicos por segundo para evitar uma catástrofe humanitária ao longo do rio no território sírio.

Ao construir seis barragens no Eufrates, a Turquia assumiu o controle da água do rio, o que contradiz o acordo assinado em 1987. A guerra pela água na Turquia coincide com a aplicação da chamada Lei Cesar dos EUA – que sanciona várias autoridades sírias – e com a continuação das operações do grupo terrorista Estado Islâmico nas áreas desérticas da Síria.

Ankara também continua a prestar apoio direto a grupos armados no norte da Síria, da província de Idlib aos arredores de Al-Hasaka, e transformou a questão da água em uma alavanca de pressão contra o povo sírio.

O rio Eufrates é considerado a espinha dorsal da economia da maioria das províncias da Síria e o principal pilar da economia nacional.

A guerra da água faz parte do confronto em larga escala da Turquia contra a Síria. O governo turco usa grupos armados, como a frente Al-Nusra (frente autônoma de Fath Al-Sham), que opera nas áreas sob seu controle, para desviar a atenção do governo sírio de suas repetidas violações na zona de desescalonamento da tensão, onde Eles atearam fogo a produtos agrícolas nos arredores de Al-Hasaka e Al-Raqa e ajudam a reviver o Estado Islâmico nas áreas desérticas do país árabe.

Ao reduzir o fluxo de água, a Turquia está tentando desestabilizar a segurança alimentar da Síria. Os civis sírios nas áreas do norte estão em sério perigo na busca de água, que pode até ser fatal devido às medidas hostis de Ancara.

Tais ações da Turquia, que podem ser consideradas agressão, não são novidade. Por anos, Ancara tenta bloquear o fluxo das águas do Tigre e do Eufrates para as nações da Síria e do Iraque.

Nos últimos anos, a Turquia construiu grandes barragens nos afluentes de Jabur, Jaghjagh-Jarjab-Zarkan e Tel Half, deixando a Síria com um fluxo de água bastante reduzido por vários meses do ano.

A construção dessas barragens teve um impacto negativo na vida dos civis, pois seca os poços de superfície e diminui os níveis das águas subterrâneas, resultando em uma drástica redução no cultivo de terras agrícolas.

A Turquia se recusa a reconhecer o Eufrates como um rio internacional e viola as leis internacionais de distribuição de água. Os acordos de Ancara com o regime israelense devem ser adicionados a esta lista de medidas turcas no quadro de sua guerra pela água contra a Síria.

Quando o conflito armado está quase no fim e os tambores da guerra deixam de soar no território sírio e iraquiano, a região está prestes a testemunhar guerras alternativas. O mais  importante deles é o terrorismo econômico e a guerra pelas bacias do Eufrates e Tigre. Um aspecto dessa guerra é que, além dos confrontos militares e políticos, a Turquia está usando a água como arma, construindo barragens nos rios Eufrates e Tigre para pressionar a Síria e o Iraque.

De acordo com todas as convenções e cartas internacionais, o uso da água como arma para controlar o destino político de outras nações ou converter o líquido vital em mercadoria para alcançar objetivos políticos é um crime contra a humanidade e não difere do apoio ao terrorismo, que pratica a Turquia há anos apoiando grupos de oposição sírios.

Guerra pela água complica luta síria contra COVID-19

O governo sírio, presidido por Bashar al-Asad, denunciou a guerra pela água lançada pela Turquia contra as áreas do norte do país e exigiu que a Organização das Nações Unidas (ONU) condenasse os crimes de Ancara e tomasse medidas urgentes para garantir o fornecimento de água potável aos civis.

Desde fevereiro passado, gangues extremistas apoiadas pela Turquia aumentaram seus atos de sabotagem contra infraestrutura nas províncias do norte da Síria, como Aleppo, Idlib e Al-Hasaka. Esses terroristas cortaram o fornecimento de água potável a civis sírios.

Os aliados da Turquia recorreram a essas medidas em um momento em que todos se concentraram em impedir a propagação do novo coronavírus, que causa o COVID-19. Os cortes de água afetam a população civil, que será forçada a usar água subterrânea suja para consumo público.

Não há dúvida de que o acesso à água limpa é um fator chave na prevenção e contenção da pandemia do COVID-19, que está tirando vidas em todo o mundo. Como lavar as mãos com água e sabão é vital na luta contra o coronavírus, as Nações Unidas instaram os países a permitir o acesso à água para populações que vivem nas condições mais vulneráveis, especialmente em conflitos armados.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alerta, por sua vez, que as ações dos terroristas, apoiadas por Ancara, ameaçaram a vida de pelo menos 460.000 sírios. “A interrupção do fornecimento de água durante os esforços contínuos para conter a propagação da doença por coronavírus coloca crianças e famílias em risco inaceitável”, criticou Fran Equiza, representante da UNICEF na Síria.

Fonte: HispanTv.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

09 de julho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário