Home Guerras Turquia promete ‘libertar Al-Aqsa’ depois de transformar a Basílica de Santa Sofia em mesquita

Turquia promete ‘libertar Al-Aqsa’ depois de transformar a Basílica de Santa Sofia em mesquita

autor: Últimos Acontecimentos

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, prometeu “libertar a mesquita Al-Aqsa” de Israel depois de transformar a Basílica de Santa Sofia como mesquita na sexta-feira. A decisão de mudar o status da antiga Basílica de Santa Sofia, que havia sido transformada em mesquita em 1453 e depois em museu em 1934, foi tomada de forma controversa na semana passada. Segue uma agenda autoritária cada vez mais religiosa de Ancara que fez da Turquia o maior carcereiro de jornalistas do mundo, viu dissidentes presos por “terrorismo” e testemunhou crescentes invasões militares de países vizinhos pela Turquia.

A ressurreição da Basílica de Santa Sofia anuncia a libertação da mesquita de Al-Aqsa, diz o site da Presidência turca. “A ressurreição de Basílica de Santa Sofia é o passo da vontade dos muçulmanos em todo o mundo … a ressurreição de Basílica de Santa Sofia é a reignição do fogo da esperança dos muçulmanos e de todos os oprimidos, errados, oprimidos e explorados.” O discurso, que estava em turco, foi traduzido de maneira um pouco diferente para o árabe e o inglês, aparentemente como uma maneira de ocultar parte das visões completas de Ancara sobre como vinculou a Basílica de Santa Sofia a uma agenda mais ampla. Em árabe, o discurso diz que transformar a Basílica de Santa Sofia em mesquita faz parte do “retorno da liberdade a Al-Aqsa”, significando essencialmente que Israel deve ser expulso do controle da Cidade Velha de Jerusalém, onde Al-Aqsa está localizado. O presidente da Turquia vinculou a decisão de reviver o Islã de Bukhara, no Uzbequistão, à Andaluzia, na Espanha. Essa terminologia, ligando Al-Aqsa em Jerusalém a Basílica de Santa Sofia e Espanha, é um tipo de terminologia codificada para uma agenda religiosa mais ampla. Na tradução para o turco, a mesma referência à Espanha não parece estar incluída no árabe.

O atual presidente da Turquia há muito tempo defende a causa palestina e tem sido um crítico extremo de Israel, saindo do palco em Davos durante uma discussão com o presidente israelense Shimon Peres em 2009. A Turquia enviou a flotilha de Gaza para tentar violar o bloqueio de Gaza por Israel, levando à morte de dez cidadãos turcos quando forças israelenses invadiram o navio Mavi Marmara. Nos últimos anos, as autoridades políticas e religiosas da Turquia têm aumentado as declarações sobre Israel, prometendo mobilizar a  ummah islâmica” em junho contra os planos de anexação de Israel.

Vincular a grande mudança na Basílica de Santa Sofia a Jerusalém ilustra que as ambições de Ancara são muito maiores do que apenas reafirmar as orações islâmicas na mesquita e igreja histórica em Istambul, faz parte de uma agenda islâmica maior para a região. O Partido AK, no poder da Turquia, está enraizado na Irmandade Muçulmana e a Turquia é um aliado próximo do Hamas em Gaza. O Hamas também está enraizado na Irmandade Muçulmana. Essa estratégia da Turquia busca, portanto, mais influência em toda a região com grupos e países com ideias semelhantes, como o Catar e o Governo do Acordo Nacional na Líbia. A Turquia está tentando suplantar a Arábia Saudita e outros países da região, como o Al-Azhar do Egito e o papel do Reino da Jordânia em Jerusalém, como principal determinante do que é “islâmico”.

Isso significa que a liderança de Ancara acredita que suas mudanças na Basílica de Santa Sofia são apenas um passo de uma agenda militarista religiosa maior no Oriente Médio. A Turquia invadiu parte do leste da Síria em outubro de 2019, depois de despovoar a região curda de Afrin, na Síria, em janeiro de 2018. A Turquia então recrutou refugiados sírios para lutar na guerra civil da Líbia como parte de um acordo militar e energético com Trípoli. Em junho, a Turquia lançou ataques aéreos no Iraque contra grupos curdos, alegando estar combatendo o “terrorismo”. O presidente da Turquia se referiu a Israel como um “estado terrorista” no passado, ilustrando que, quando a Turquia promete “combater o terrorismo”, um dia poderá visar Jerusalém. O discurso sobre Hagia Sophia indicou claramente que isso está na agenda no futuro.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

11 de julho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário