Home Artigos O pretenso califa da Turquia pode ser parado?

O pretenso califa da Turquia pode ser parado?

autor: Últimos Acontecimentos

Durante a década passada, o presidente turco Recep Erdogan, aproveitando o caos no Oriente Médio, estava ocupado em estabelecer uma presença militar em vários locais estratégicos naquela região, bem como no norte da África e ainda mais, sem encontrar nenhum real oposição. A atenção mundial concentrou-se nos esforços de Teerã para cumprir suas ambições nucleares, enquanto avançava em seu objetivo de longo prazo de criar um crescente xiita que englobasse todos os países do Oriente Médio e resultasse na aniquilação de Israel.

Hoje, o líder turco está pronto para assumir o centro do palco em muitos dos conflitos da área e avançar em seu grande projeto de reviver um califado islâmico sob seu domínio. Não é segredo que ele se vê como o legítimo herdeiro de séculos de governantes otomanos e, como tal, pretende estender novamente a influência da Turquia sobre países e territórios anteriormente parte do Império Otomano.

De fato, novos mapas da Turquia publicados em 2016 incluem o norte da Síria até Latakia, o distrito de Mosul no Iraque, e se estendem além dos limites da parte européia da Turquia, através do Estreito de Bósforo, até partes da Bulgária e Salónica na Trácia Ocidental. A área ainda estava sob domínio otomano quando o cessar-fogo foi assinado em 1918, mas foi retirada da Turquia pelo tratado de Lausana em 1923. Esses mapas são uma clara indicação de um irredentismo, que pode levar à guerra.

Isso se encaixaria na doutrina de Ahmet Davutoglu, antigo ministro das Relações Exteriores e mentor de Erdogan, que escreveu um livro sobre o dever sagrado de seu país de unir o Oriente Médio sob seu manto chamado neo-ottomanismo e reviver o califado islâmico.

Esse é um objetivo muito alinhado com as aspirações da Irmandade Muçulmana, que encontrou no presidente turco um aliado. De fato, os laços se fortaleceram depois que ele cortou as relações com o Egito quando Muhammad Morsi foi deposto e a Irmandade foi classificada como organização terrorista. Os líderes do movimento que escaparam da prisão fugiram para a Turquia ou para o Qatar, um defensor de longa data, levando a uma nova aproximação entre Ancara e Doha, promovendo os objetivos de Erdogan.

Hoje, a Turquia tem uma forte presença política e de segurança no norte da Síria, onde coordena suas atividades com a Rússia e o Irã. Ele usa suas milícias islâmicas contra o regime do presidente Bashar Assad enquanto luta contra os curdos suspeitos de ajudar o movimento turco do PKK em busca de autonomia.

As forças turcas invadiram o norte do Iraque, onde também combatem curdos enquanto treinavam turcomanos iraquianos – uma minoria de origem turca supostamente em perigo. Ancara assinou um acordo de cooperação de segurança com o Catar – anteriormente parte do Império Otomano – em 2010, vendendo equipamentos militares, drones de fabricação própria e carros blindados.

Estabeleceu uma base militar lá em 2015 e enviou outras 3.000 tropas em 2017 para mostrar apoio ao reino sitiado bloqueado pela Arábia Saudita, Emirados, Egito e Bahrein. Assim, tem uma posição importante no Golfo.

Ao longo do Mar Vermelho, uma base militar foi criada na Somália, supostamente para treinar tropas locais; ao largo da costa da ilha de Suakin, no Sudão, uma vez que a sede do governador otomano da região foi arrendada a Ancara, embora seu destino não esteja claro agora que o presidente sudanês Omar Bashir está na prisão.

Ao mesmo tempo, Erdogan está pesando na questão palestina: rebaixando os vínculos com Israel para obter favores ao mundo árabe, organizando reuniões e conferências de organizações islâmicas que se dedicam a condenar o Estado judeu, mobilizando organizações de ajuda turcas – ostensivamente para fornecer comida para os povos árabes necessitados no leste de Jerusalém e restaurar locais islâmicos, mas de fato agitando e incitando contra Israel.

Isso tem um duplo objetivo: posicionar a Turquia como defensora do Islã e desafiar a Jordânia, que em virtude de seus acordos de paz com Israel, tem um status especial em relação às instituições islâmicas e ao Monte do Templo.

No entanto, foi a flagrante intervenção turca na Líbia, que fez a Europa se sentar e prestar atenção porque a vê como uma ameaça direta. A interminável guerra civil naquele país opõe o Parlamento Tobruk legalmente eleito e o Exército Nacional da Líbia (LNA) – liderado pelo general Haftar, governante de fato da parte oriental do país – contra organizações islâmicas que apóiam o Governo de Acordo Nacional de Trípoli ( GNA) de Fayez Sarraj reconhecido pela ONU e governando a parte ocidental da Líbia.

A Turquia tem ajudado secretamente o GNA desde 2013, fornecendo armas e munições, violando o embargo imposto pelo Conselho de Segurança da ONU. Ultimamente, quando as forças de Haftar pareciam tomar Trípoli, Erdogan enviou abertamente drones de ataque às milícias islâmicas, além de conselheiros militares e milhares de mercenários recrutados de movimentos islâmicos na Síria, efetivamente encerrando a ofensiva de Haftar, pois seu exército teve que recuar e abandonar posições conquistadas no oeste da Líbia.

Isso criou uma grande mudança na política regional. Haftar tem o apoio do Egito, Emirados, Rússia e até da França, este último lutando com grupos jihadistas no sul do país, ameaçando os países africanos do Sahel. No entanto, para o Egito, a nova situação constitui um perigo claro e presente.

Haftar desempenhou um papel importante em manter segura sua longa fronteira comum, ajudando a frustrar as tentativas das milícias islâmicas de enviar militantes e equipamentos militares à insurgência islâmica na Península do Sinai.

Após seu revés, o presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi emitiu a “Declaração do Cairo” pedindo um cessar-fogo, a retirada de todas as tropas estrangeiras e trabalhando em uma solução política. Fayez Sarraj recusou e seguiu sua ofensiva em direção a Sirte, porta de entrada para a grande infraestrutura de exportação e exportação de petróleo de Ras Lanuf e Al Sidra, mantida por Haftar.

Nesse momento, o presidente egípcio emitiu um aviso claro: a captura de Sirte seria uma ameaça direta à segurança de seu país, e seu exército estava pronto para intervir para evitá-lo. A Turquia se apressou em responder que um cessar-fogo estava condicionado à retirada do LNA de Sirte.

Sisi foi solicitado pelo Parlamento de Tobruk para ajudar na defesa da Líbia e recebeu o apoio de uma delegação de tribos da Líbia, dando-lhe a base legal para enviar suas tropas através da fronteira.

Como um gesto de apoio ao Egito, a Rússia estacionou vários aviões de guerra MIG-29 no leste da Líbia.

Não está claro se Erdogan apoiará suas ameaças com ações e se Sisi moverá suas tropas através da fronteira.

Diante dessa nova agressão turca, a Europa parece indecisa e não quer agir. Ancara está impedindo que milhões de refugiados da Síria, Iraque e Afeganistão cheguem às costas da Itália e da Grécia – mediante pagamento de bilhões de dólares por ano. Até agora, Haftar tem bloqueado refugiados líbios e africanos que tentam fugir.

A nova política isolacionista do presidente dos EUA, Donald Trump, que indicou que não queria se envolver em intermináveis ​​conflitos regionais, levou à diminuição da influência dos EUA. Além disso, Trump não deseja brigar com a Turquia, membro da OTAN. Ele já demonstrou isso abandonando seus aliados curdos na Síria e deixando-os indefesos contra o Exército turco.

As relações com a União Européia são instáveis, na melhor das hipóteses, e é improvável que o Ocidente se una contra a Turquia.

A Rússia é um dilema. A política expansionista de Erdogan ameaça seus esforços para estabelecer postos avançados ao longo do Mediterrâneo e participar da reconstrução de países devastados pela guerra. Deveria confrontar o presidente turco ou buscar um compromisso?

Isso aconteceu na Síria, pelo menos por enquanto, incluindo a Turquia e o Irã no fórum de Astana, com o objetivo de coordenar as ações naquele país, permitindo que as tropas turcas assumam a província de Afrin e alcancem um cessar-fogo em Idlib.

A China, ocupada em promover seu ambicioso novo projeto da Rota da Seda na região, não deseja se envolver, embora esteja indubitavelmente feliz em ver o declínio do Ocidente. Além disso, mesmo a perseguição às minorias uigures, de origem turca, levou a condenações mornas de Ancara e não prejudicou as relações entre os dois países.

Embora a Turquia tenha conseguido estender seus tentáculos por todo o Oriente Médio, não parece, portanto, que alguém no cenário internacional esteja pronto para intervir. No entanto, é duvidoso que esteja pronto para um confronto direto na Líbia com o Egito e a Rússia. Este último provavelmente tentará encontrar um compromisso temporário, ambos os exércitos mantendo suas posições atuais com Haftar e o primeiro-ministro líbio Fayez al-Sarraj, concordando em compartilhar as receitas do petróleo.

Tal compromisso não anunciaria de maneira alguma o fim da guerra civil, mas demonstraria que é Erdogan quem detém a chave para novos desenvolvimentos.

O que poderia fazer o pretenso califa de Istambul tropeçar, no entanto, poderia ser problemas em casa. A situação econômica é terrível, as reservas em moeda estrangeira estão esgotadas, a lira turca está em queda e a inflação está desenfreada. Isso se deve em parte ao custo exorbitante das políticas expansionistas do presidente, numa época em que o crescimento é severamente impactado pela pandemia do COVID-19.

A Turquia está se voltando para o Fundo Monetário Internacional para ajuda de emergência, embora um acordo ainda esteja para ser alcançado. A oposição a Erdogan está crescendo, e membros do parlamento de seu próprio partido estão desertando para ingressar em um novo movimento de oposição – Al Mustaqbal, “O Futuro” – criado por ninguém menos que o ex-primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu para combater o que eles chamam de regime corrupto e ditatorial.

O Partido Justiça e Desenvolvimento de Erdogan perdeu sua maioria parlamentar em 2018 e teve que formar uma coalizão com um pequeno partido nacionalista. O presidente em apuros está em uma encruzilhada.

Ele pode convocar eleições antecipadas, na esperança de obter melhores resultados, ou usar uma conflagração na Líbia como uma tática de desvio. O que não está em dúvida é sua determinação em atingir seus objetivos, talvez até ao preço de um golpe militar para manter sua posição.

Fonte: The Jersusalém Post.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

24 de julho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário