Home Guerras Pompeo sinalizou o início de uma nova Guerra Fria com a China

Pompeo sinalizou o início de uma nova Guerra Fria com a China

autor: Últimos Acontecimentos

Não foi por acaso que o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, proferiu seu discurso mais anti-China na semana passada na biblioteca Richard Nixon, local em homenagem a um presidente que virou um novo capítulo nas relações sino-americanas na década de 1970. Pompeo tinha um argumento a fazer: que o período de lua de mel com a China acabou e uma nova Guerra Fria está emergindo entre o Oriente e o Ocidente.

O epitáfio da lápide de Richard Nixon diz: “A maior história de honra que se pode dar é o título de pacificador”. É uma citação de seu primeiro discurso inaugural, um discurso que não poderia ser mais contrastante com o de Mike Pompeo. Nixon fala sobre o desejo de paz, sobre ‘avançar com toda a humanidade’ e tentar fazer ‘ninguém nosso inimigo’. Ele falou como alguém que via mais semelhanças entre os povos do que diferenças e de valores universais: ‘Eu também conheço as pessoas do mundo. Vi a fome de uma criança sem-teto, a dor de um homem ferido em batalha, a tristeza de uma mãe que perdeu o filho. Sei que estes não têm ideologia, nem raça. Ele defendia a diplomacia como o único caminho para alcançar a paz: ‘não há substituto para dias e até anos de diplomacia paciente e prolongada’.

Não posso deixar de pensar que Richard Nixon, com seus valores cristãos (ele nasceu e foi criado como quaker), estaria se transformando em sua sepultura se tivesse ouvido o último discurso de Mike Pompeo. Nixon queria construir pontes com a China; Pompeo quer derrubá-los. Ele basicamente começa dizendo que a estratégia de Nixon (embora implementada meio século atrás) não funcionou. A retórica é agressiva. Pequim “morde a mão que a alimenta”. A China “explorou” os EUA e o bombardeou com propaganda. Ele “roubou” a propriedade intelectual dos EUA e “sugou” as cadeias de suprimentos dos EUA. O Partido Comunista Chinês ‘subverte a ordem baseada em regras’ e ‘erode as liberdades’. Citando Nixon, Pompeo diz que o presidente criou o “monstro de Frankenstein”. As imagens evocadas aqui por Pompeo não são acidentais. Para ele a China é o novo inimigo.

Pompeo brinca com as emoções do público, culpando completamente a China pela pandemia de coronavírus: ‘hoje ainda estamos todos usando máscaras e vendo o número de corpos da pandemia aumentar porque o PCCh falhou em suas promessas ao mundo’. Mais tarde, ele menciona crianças, deliberadamente, novamente para gerar simpatia por seu argumento: “Se dobrarmos os joelhos agora, os filhos de nossos filhos poderão estar à mercê do Partido Comunista Chinês”. Essa é uma técnica clássica que vimos líderes, particularmente políticos dos EUA, usar inúmeras vezes para convencer a população do caso a entrar em guerra. Eles apelam para as emoções das pessoas e reproduzem os aspectos humanitários do caso. Pois a realidade é que é preciso conquistar as mulheres: afinal, elas são forçadas a se separar dos filhos que vão brigar. Vimos isso nos últimos anos com a intervenção dos EUA na Síria – ‘Assad está destruindo seu próprio povo’ e novamente na corrida para a guerra do Iraque em 2003, quando Colin Powell fez seu famoso discurso na ONU, alegando que o país tinha armas de destruição em massa. Em cada um desses casos, a evidência foi falha, mas não impediu os EUA de seguir adiante em seu caminho de destruição.

A verdade, por mais triste que possa parecer, é irrelevante para esses políticos. Se você tem controle sobre grande parte da mídia convencional, como os governos ocidentais, pode manipular sua população com facilidade. Dito isto, o discurso de Pompeo teve uma reação mista. Considerado “surreal” por um escritor do Instituto Brookings, ele já foi interpretado como uma metáfora para a futura mudança de regime na China, dado o apelo ao Partido Comunista para mudar seu ‘comportamento’ e o fato de ‘os EUA não poderem mais ignorar as diferenças políticas e ideológicas fundamentais entre nossos países’. Outras publicações, no entanto, não passaram por esse comentário negativo. Preocupantemente, a grande imprensa britânica tem sido amplamente comprometida, significando o papel habitual do cão de caça que a Grã-Bretanha desempenha nas demandas dos EUA, como demonstrado pela recente decisão do governo Johnson de se retirar de um acordo com a fornecedora chinesa de telefonia móvel Huawei.

O discurso de Pompeo é uma obra-prima da manipulação psicológica, o que não surpreende, dado seu antigo papel na CIA. Sua retórica hawkish é projetada para instilar o medo nos americanos comuns e convencer as pessoas de que não há escolha a não ser adotar o curso de ação que ele sugere. Ele apela aos ignorantes, dando exemplos extraordinários de preconceito, como ‘comunistas quase sempre mentem’ e declarações inexplicáveis ​​como ‘Exército de Libertação Popular não é um exército normal’ – como se houvesse algo como ‘exército normal’!

Até o momento, a China mostrou uma contenção notável em reação a essa hostilidade. O resto do mundo deve tomar muito cuidado antes de se juntar a Pompeo em sua cruzada anti-China. Os EUA estão rejeitando a realidade: que uma nova ordem mundial está se formando e os Estados Unidos não a estão mais liderando. Um mundo multipolar está surgindo e a unipolaridade liderada pelos EUA está diminuindo. No entanto, isso não acontecerá sem luta, como Pompeo demonstra com seu discurso de flexão muscular. Como o filósofo italiano Antonio Gramsci colocou apropriadamente: “O velho mundo está morrendo e o novo mundo luta para nascer: agora é a hora dos monstros”.

Fonte: Infobrics.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

31 de julho de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário