Home Israel Israel vai para novas eleições? Entenda o cenário

Israel vai para novas eleições? Entenda o cenário

autor: Últimos Acontecimentos

Israel irá para novas eleições em três semanas?

Ninguém, exceto o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, parece saber a resposta – e nem está claro que ele tenha se decidido.

Em maio, Netanyahu e o primeiro-ministro alternativo Benny Gantz assinaram um acordo de coalizão que dizia que o governo de unidade que eles estabeleceram aprovaria um orçamento de dois anos. Essa foi uma das cláusulas mais importantes do acordo para Gantz, já que a aprovação de um orçamento do estado é uma maneira fácil de alguém derrubar um governo. Atualmente, se Israel não aprovar um orçamento até 25 de agosto, seguirá para uma nova eleição em novembro.

Dizem que Netanyahu quer um orçamento de um ano. Embora ele faça argumentos econômicos e fiscais, até os membros de seu partido sabem que ele está fazendo isso para poder derrubar o governo novamente em março, quando o orçamento para 2021 terá que ser aprovado. Esse ponto de saída de março é fundamental para que Netanyahu consiga evitar sair do Gabinete do Primeiro Ministro em novembro de 2021 e entregar as rédeas do país a Gantz.

Aqui estão as opções atuais de Netanyahu:

1)  Ele se recusa a cumprir o acordo de coalizão e continua a insistir em um orçamento de um ano. Se isso acontecer, e Gantz se recusar a conceder, Israel seguirá para uma nova eleição em 25 de agosto. As eleições – a quarta de Israel em menos de dois anos – serão realizadas em novembro. Durante esse período intermediário, Netanyahu continuará sendo o primeiro ministro.

2) Para ganhar algum tempo, Netanyahu aprova legislação que adia o prazo pelo qual o governo precisa aprovar um novo orçamento. De acordo com a legislação existente, isso precisa ocorrer dentro de 100 dias após a formação de um novo governo (25 de agosto).

Se uma nova lei fosse aprovada prorrogando o prazo, a ameaça de uma nova eleição não desapareceria, mas desapareceria por um pouco mais, dando a Netanyahu e Gantz mais tempo para trabalhar em um compromisso. Zvi Hauser, de Derech Eretz, já colocou um projeto de lei na mesa do Knesset que Netanyahu poderia optar por adiantar.

3) Netanyahu mantém sua demanda para aprovar um orçamento de um ano e Gantz mantém sua demanda para aprovar um orçamento de dois anos. Eleições, certo? Não tenho certeza.

Teoricamente, Netanyahu poderia derrubar esse governo, expulsar Azul e Branco e atrair o Yamina Party de Naftali Bennett – mas ele ainda teria duas cadeiras para os 61 necessários. Os possíveis candidatos à deserção são Hauser e Yoaz Hendel, de Derech Eretz, e Pnina Tamano. Shata e Omer Yankelevitch de Blue e White, além de alguns outros.

Hendel e Hauser já disseram que não vão desertar. Mas quando Israel estará a apenas um dia ou dois de uma nova eleição, sua decisão poderá mudar.

4) Blue and White deu a entender que está trabalhando em um governo alternativo sem o Likud. Atualmente, azul e branco tem 14 assentos. Com Derech Eretz e Labor, eles têm 19 assentos no Knesset. Yamina é cinco, Yisrael Beytenu é sete e Yesh Atid-Telem é 17. Isso daria o bloco anti-Netanyahu 48. Para chegar a 61, porém, Gantz precisaria obter os partidos haredi (ultraortodoxos) – que detêm 16 assentos – para se juntar a ele. Isso é altamente improvável, já que a possibilidade de o haredim se juntar ao Avigdor Liberman e Yair Lapid é quase como a chance de Naftali Bennett e Liberman participarem da Lista Conjunta Árabe.

5) Gantz se rende e decide apoiar a proposta de Netanyahu de aprovar um orçamento de um ano. Gantz desistiu de questões importantes no passado. Se isso acontecesse, não seria uma surpresa – mas seria outro prego no caixão por sua chance de substituir Netanyahu no Gabinete do Primeiro Ministro.

Fonte: The Jerusalém Post.

02 de agosto de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário