Home Israel O anti-semitismo na Internet

O anti-semitismo na Internet

autor: Últimos Acontecimentos

1. Tweets anti-semitas – os países europeus com mais registros

A França (9.150) é seguida pela Alemanha, Espanha, Bélgica, Irlanda e Áustria.

O ministro da diáspora Omar Yankelevich apresentou ao embaixador da UE dados sobre o anti-semitismo no Twitter, coletados pelo sistema de monitoramento da Internet do ministério da diáspora. Omar e o embaixador da UE concordaram em cooperar para manter as comunidades judaicas na Europa seguras e monitorar o anti-semitismo online.

Nos últimos dois meses (junho e julho de 2020), 14.210 tweets anti-semitas foram publicados em países europeus. O maior número de tweets anti-semitas foi registrado na França – 9.150 tweets enviados por 3.000 “surfistas” na web; seguido pela Alemanha – 2.470; Espanha – 2.080; Bélgica – 220; Irlanda – 168; e Áustria – 93 tweets.

Esses dados foram coletados pelo sistema de monitoramento do Ministério da Diáspora. No total, o sistema de monitoramento identificou 14.210 tweets anti-semitas publicados por 4.680 usuários nesses seis países, das 266.200 postagens enviadas por 114.600 usuários.

O ministro da diáspora Omar Yankelevich apresentou os dados em uma reunião realizada no fim de semana passado com o embaixador da UE em Israel, Emanuel Joffre, no qual eles concordaram em cooperar na proteção das comunidades judaicas na Europa, monitorando o antissemitismo online e preservando a liberdade religiosa dos judeus europeus. Segundo Yankelevich, a diferença no número de tweets entre os estados ilustra a importância de uma extensa legislação e uma aplicação decisiva contra o incitamento ao ódio.

Em vista dos dados apresentados, o Ministro procurou aumentar a cooperação com a UE e otimizar o financiamento que as comunidades recebem da UE para medidas de segurança. Isso é para garantir a segurança das comunidades judaicas na Europa. O embaixador expressou sua disposição de trabalhar em estreita cooperação com Israel, contra o fenômeno do crescente anti-semitismo na Internet e “no terreno”. Os dois também discutiram maneiras criativas de conectar comunidades judaicas em Israel com comunidades da Europa.

Ministro Yankelevich: “Os judeus europeus estão passando por um período difícil durante a crise de Corona. Mais de mil judeus morreram do vírus, incluindo rabinos e líderes comunitários. Especialmente durante este período, devemos trabalhar em total cooperação com a UE para manter a segurança e a existência de comunidades judaicas na Europa. Agradeço ao embaixador por sua disposição em ajudar nessa questão, bem como monitorar o anti-semitismo na Internet e preservar a liberdade religiosa dos judeus nos países da UE. Essa é nossa responsabilidade compartilhada.”

2. Israel apela aos gigantes da Internet para mudar sua política de imposição contra o anti-semitismo e o ódio a Israel:

“As redes sociais permitiram que o discurso antissemita de ódio prosperasse por muito tempo”. A ministro de Assuntos Estratégicos, Orit Farkash-Hacohen, pediu aos gigantes da Internet que mudem sua política de imposição de discursos de ódio, incluindo incitação à violência, deslegitimação do Estado de Israel e expressões de anti-semitismo.

Em um artigo publicado na Newsweek , a segunda publicação de maior circulação nos Estados Unidos, com mais de 30 milhões de acessos por mês, Farkash-Hacohen escreveu:

“Numa época em que o mundo inteiro está preocupado com a maior crise de saúde que já vimos, a Internet está sofrendo de uma infecção não menos grave – o VÍRUS DO ÓDIO. Os gigantes da mídia permitiram que o discurso do ódio, do incitamento e do anti-semitismo prosperasse on-line por muito tempo. Chegou a hora dos executivos de mídia social assumirem a responsabilidade e limparem a Internet do veneno que a inunda. Liberdade de expressão não é a liberdade de espalhar o ódio.”

O artigo foi publicado como parte de uma iniciativa ampla, liderada pelo ministro Farkash-Hacohen e pelo Ministério de Assuntos Estratégicos sobre empresas de mídia social, levando-os a adotar definições claras contra manifestações de deslegitimização do Estado de Israel, como parte integrante de impor políticas de discurso de ódio online.

O ministro se referiu às mensagens recentemente expressas pela administração do Facebook, dizendo que mais deve ser feito nessa área. Ela disse:

“Durante anos, apesar de reconhecer que havia um problema e dizer que eles têm mais o que fazer, os gigantes das mídias sociais deixaram o problema piorar e tomaram poucas medidas proativas para lidar com o ódio online. Seus termos de uso são detalhados e sujeitos a interpretação quando se trata de implementá-los. Embora haja sinais de que eles finalmente começaram a levar o assunto a sério, acreditaremos quando o virmos – através de ações tomadas.”

O ministro Farkash-Hacohen recomenda um plano em duas etapas. Ela pede às empresas que adotem a definição IHRA de anti-semitismo internacional e implementem uma política de transparência e relatórios sobre a implementação da definição. Em seu artigo, a ministra afirma a liberdade de expressão e o direito de criticar o Estado de Israel e suas atividades.

O ministro concluiu seu artigo:

“Bem, já é hora de todos os líderes de mídia social começarem a agir sobre isso em relação ao discurso de ódio. Quanto antes melhor. São as plataformas de mídia social que controlam a percepção e a opinião pública de hoje. Essa imensa influência deve ser acompanhada de prestação de contas.”

Fonte: Israel Today.

02 de agosto de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário