Home Artigos A presença chinesa na África está aumentando – econômica e militarmente

A presença chinesa na África está aumentando – econômica e militarmente

autor: Últimos Acontecimentos

O engajamento chinês na África é bastante visível no aspecto econômico (ainda que, pela primeira vez, o comércio entre a China e a África tenha caído este ano em meio à crise do coronavírus). Afinal, a economia da China está crescendo – o que também inclui uma potencial crise de superprodução. Portanto, a China precisa de energia e recursos – muito – e ela precisa de mercados; O continente africano, por sua vez, pode atender a essas demandas e fornecer muitos recursos naturais. E assim é e todos nós ouvimos constantemente sobre isso. A China, por sua vez, exporta aparelhos elétricos baratos, roupas etc. para países africanos (bem como produtos mais refinados tecnologicamente) – tudo por um preço mais barato que a Europa ou os Estados Unidos. É basicamente assim: a China importa recursos naturais e exporta bens de consumo. Certo? Mas isso não é tudo.

A China também tem investido em alguns grandes projetos de infraestrutura no continente (incluindo ferrovias e usinas de energia), acelerando assim a modernização e a industrialização agrícola lá.

Pode-se dizer que o Fórum de Cooperação China-África (FOCAC) de 2015 foi uma virada recente nas relações sino-africanas. Desde então, programas de intercâmbio cultural foram criados, dívidas foram canceladas, empréstimos sem juros foram concedidos e muitos programas humanitários especiais foram criados. Tudo isso certamente melhorou a imagem da China na África e no exterior.

Mas nem tudo é otimista: por exemplo, quando as economias africanas são inundadas por produtos chineses mais baratos, os produtores locais são prejudicados. Já em 2009, um estudo concluiu que as exportações chinesas impactaram a África por meio do deslocamento de indústrias locais. A discriminação contra migrantes africanos na China também está aumentando (em Guangzhou, particularmente). No geral, porém, a China é bem vista na África. Tem enviado suprimentos médicos para o continente em meio à crise do COVID-19. Mas há outro ângulo nas relações sino-africanas que muitas vezes é esquecido: segurança.

Os países africanos desejam desenvolver a segurança e a estabilidade no seu continente por razões óbvias e para seu próprio bem. Enquanto isso, Pequim quer praticamente o mesmo para a África (também para seu próprio bem): afinal, um continente africano mais estável e pacífico só poderia beneficiar a China – garantindo um ambiente seguro e protegido para suas empresas e investimentos econômicos. Não admira que a China esteja realmente envolvida em várias missões de manutenção da paz na África. Uma Parceria Cooperativa China-África para a Paz e Segurança foi estabelecida em 2012 e em 2015, um Fundo de Paz e Segurança China-África foi implementado.

Em outras palavras, a presença militar chinesa na África (embora ainda relativamente pequena) está aumentando – muito. Por exemplo, mais de 700 soldados chineses estão sendo enviados ao Sudão do Sul, como parte de uma missão de paz da ONU em meio a um conflito em curso. Houve operações antipirataria chinesas na Somália, operações de estabilização pós-conflito no Mali e assim por diante. No geral, pode-se dizer que a presença chinesa ajuda a promover a segurança e a paz na África. É um fato bem conhecido que a China está modernizando rapidamente sua marinha e isso certamente pode ameaçar a hegemonia naval dos EUA . Bem, no Chifre da África, a Marinha chinesa protegeu mais de 6.700 navios somente no Golfo de Aden (durante missões de escolta) e também em águas ao largo da costa da Somália.

A China também oferece treinamento para militares e recebe estudantes e oficiais africanos em suas academias militares para fins de educação militar. O modelo chinês na relação partido-exército influenciou até mesmo várias forças armadas africanas (o Zimbábue é um bom exemplo). Além da mediação de conflitos e da manutenção da paz, a China mantém, desde 2017, uma base militar no exterior (a primeira) na República Djibouti, na região do Chifre da África.

Na verdade, a África pode ser vista como uma espécie de laboratório de teste para o papel chinês na segurança internacional. A abordagem pragmática chinesa (sem direitos humanos ou condições de democracia vinculados) à África e ao Oriente Médio poderia de fato ser aplicada em qualquer lugar do mundo, argumenta Zhou Bo, colega da Academia de Ciências Militares. Isso certamente preocupa os EUA.

Por essa razão, o Comando Africano (AFRICOM) planeja conter a influência chinesa na África. Na semana passada, um novo relatório do Pulitzer Center revelou que forças do tipo operações especiais americanas estão ou estiveram ativas (no ano passado) em pelo menos 22 países africanos. Em teoria, os EUA não estão em guerra com nenhum país africano. No entanto, desde 2007, os drones dos EUA têm constantemente atacado a Somália, por exemplo, e muitas vezes matando civis (como parte de sua campanha contra o grupo terrorista Al-Shabaab). A maioria dos comandos dos EUA na África, entretanto, opera de forma clandestina e ninguém sabe exatamente o que está fazendo lá – a dependência americana de empresas de segurança privada também confunde a questão da responsabilidade. Até hoje, os EUA ocupam militarmente toda a ilha de Diego Garcia (parte ‘de jure’ do território de Maurício) e a usam como uma estação de armas nucleares,

Fonte: INFOBRICS.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

20 de agosto de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário