Home Artigos Acordos de Abraão de Trump trazem os verdadeiros filhos de Ismael ao monte do Templo, conforme profetizado

Acordos de Abraão de Trump trazem os verdadeiros filhos de Ismael ao monte do Templo, conforme profetizado

autor: Últimos Acontecimentos

O acordo para normalizar as relações entre os Emirados Árabes Unidos e Israel levantou a possibilidade sem precedentes de que, em um futuro próximo, um grande número de peregrinos muçulmanos virão para orar no Monte do Templo. Ironicamente, o governo israelense os recebe de braços abertos, mas a liderança religiosa palestina já emitiu uma Fatwa (decisão religiosa) proibindo muçulmanos de países que assinaram acordos com Israel de entrar na Mesquita de al-Aqsa com cúpula de prata.

Embora seja essencialmente um acordo sobre considerações políticas e econômicas, o acordo se relaciona diretamente com o Monte do Templo.

“Conforme estabelecido na Visão para a Paz, todos os muçulmanos que vêm em paz podem visitar e orar na mesquita de Al Aqsa, e os outros locais sagrados de Jerusalém devem permanecer abertos para adoradores pacíficos de todas as religiões”, afirma o acordo.

Isso também é verdade para o plano de paz do “acordo do século” de Trump com relação às relações entre os palestinos e Israel.

“Pessoas de todas as religiões devem ter permissão para orar no Monte do Templo / Haram al-Sharif, de uma maneira que seja totalmente respeitosa com sua religião, levando em consideração os horários das orações e feriados de cada religião, bem como outros fatores religiosos,” afirma o plano Paz para a Prosperidade.

Apesar dessas proclamações, a insistência palestina em manter uma exclusividade hostil no local é o principal obstáculo para concretizar o papel profetizado do Monte do Templo como uma casa de oração para todas as nações. Em uma resposta direta e imediata ao acordo dos Emirados Árabes Unidos, o Mufti de Jerusalém, Sheikh Muhammad Hussein, emitiu uma Fatwa declarando que os cidadãos muçulmanos dos Emirados Árabes Unidos não terão permissão para orar na Mesquita de al-Aqsa.

Chamado de Acordo de Abraão, o acordo dos Emirados Árabes Unidos tem raízes bíblicas, bem como implicações do fim dos tempos.

Rabino Nachman Kahana observou que este acordo traria os Bnei Yishmael (os filhos de Ismael) a Isrel, talvez pela primeira vez.a

“Os palestinos não são os verdadeiros Bnei Yishmael, disse o Rabino Kahana. “Os palestinos são fruto de todas as nações que passaram pelo Crescente Fértil. Com os beduínos desta região e os verdadeiros árabes do Golfo Pérsico, não há mistura de sangue. Eles eram separados dos persas e dos gregos.”

O Rabino Kahana observou que a chegada do verdadeiro Bnei Yishmael ao Monte do Templo pode ser uma parte do tshuva (processo de arrependimento) de Yishmael, citando um versículo do Gênesis.

Seus filhos Yitzchak e Ismael o enterraram na caverna de Machpelah , no campo de Efrom filho de Zohar, o hitita, de frente para Mamre. Gênesis 25:9

“Neste versículo, Ishmael deveria ter vindo primeiro, já que é mais velho”, observou Rabi Kahana, citando o comentarista medieval Rashi, que interpretou a incongruência no verso como significando que Ismael se arrependeu em seus últimos anos.

“Ishmael percebeu a superioridade espiritual de Isaac e demonstrou isso permitindo que ele fosse o primeiro ao enterrar seu pai”, explicou o Rabino Kahana. Ele observou que isso está sendo encenado pelo verdadeiro Bnei Yishmael, mostrando respeito pela descendência de Jacó.”

Mas a chegada do verdadeiro Bnei Yishmael ao Monte do Templo tem implicações de fim de dia. O Zohar Hadash (Balak 68b) descreve um processo que começará no 274º ano do sexto milênio. Este parece ser o ano 5774 no calendário hebraico que começou em setembro de 2013. O Zohar prediz que os “Filhos de Ismael” farão guerra contra o Messias, e “virão e se prostrarão diante de Deus no monte sagrado em Jerusalém”. O texto usa especificamente o nome do Deus dos judeus, e não um termo genérico ou a expressão usada para adoração não-judaica. Esta previsão do Zohar prediz que os árabes adorarão o Deus judeu no Monte do Templo e, de fato, parece ser isso o que está acontecendo.

Zohar prossegue dizendo que Edom governará Israel por 12 meses. Ao final de 12 meses, o mundo vai estremecer e, durante esse tempo, a Shechiná (presença celestial) voltará a habitar na caverna de Moisés. O Messias ficará escondido por 9 meses – semelhante ao período de gravidez – e então o povo em Israel ouvirá um som como o toque de um shofar.

Na verdade, o Monte do Templo foi amplamente ignorado pelos árabes até que Israel o conquistou em 1967. Durante a Primeira Cruzada, o Islã não estava interessado na Cúpula da Rocha e foi transformada em uma igreja, enquanto al-Aqsa, com sua cúpula de chumbo, era uma mesquita modesta. mNo início do século 20, a atenção do mundo muçulmano estava muito ais voltada para a cúpula de prata de al Aqsa do que para a Cúpula da Rocha, que não foi coberta com ouro até 1993, depois que os judeus começaram a subir ao Monte do Templo. Parece que os árabes ficam intensamente interessados ​​no local apenas quando os judeus, e seu Deus, estão presentes.

Esta mesma profecia é repetida em outras fontes, acrescentando que os “Filhos de Ismael” farão guerra contra o Messias e “virão e se prostrarão diante de Deus no monte santo em Jerusalém”.

“Mas esse arrependimento de Ismael não durou”, advertiu Rabi Kahana. “Depois que Isaac morreu, Ishmael casou sua filha Mahalath com o filho de Esav, o inimigo de Yisrael. O ódio de Ishmael foi reacendido.”

O rabino observou que o arrependimento de Ismael está acontecendo hoje e pode ter o mesmo final trágico.

“Os Emirados Árabes Unidos reconhecem os benefícios espirituais das relações com Israel”, disse o Rabino Kahana. “Esta é a forma de arrependimento que Ismael fez, mas não teve resultados duradouros. No final, os elementos de Ismael que odeiam os Filhos de Israel se unirão com Esaú. As nações árabes se unirão com os elementos malignos de Esaú que estão dispersos pela Europa e os EUA para atacar Israel.”

Fonte: Breaking Israel News.

02 de setembro de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário