Home Últimas Notícias Governo Trump pressiona países árabes a cortar fundos para os inimigos de Israel

Governo Trump pressiona países árabes a cortar fundos para os inimigos de Israel

autor: Últimos Acontecimentos

Os Estados árabes pararam de dar dinheiro à Autoridade Palestina devido à pressão dos EUA, disse o vice-líder do Hamas, Saleh al-Arouri, na sexta-feira.

Os comentários de Arouri foram transmitidos pela TV Al-Aqsa do Hamas como um foguete, disparado da Faixa de Gaza controlada pelo Hamas, caindo em um campo aberto em Israel.

“Há países árabes que congelaram seus compromissos com o povo palestino, seja via AP ou OLP, por causa de uma decisão americana. Para ser claro, uma decisão americana. Eles procuraram nossos irmãos no PA e disseram: ‘Não vamos pagar nada a vocês depois de hoje.’”

Arouri acrescentou que os Estados Unidos também cortaram sua ajuda monetária à UNRWA, a agência de ajuda das Nações Unidas para refugiados palestinos, e pediu a outros países que fizessem o mesmo.

O vice-líder do Hamas afirmou que Israel foi o autor final dessas políticas.

“A questão palestina foi central ao longo de sua história, mas recentemente chegamos a um ponto em que há um desejo de erradicá-la”, disse Arouri. “Claro, os israelenses estão traçando os parâmetros para isso. O governo Trump está implementando com todas as suas conexões para impor este mapa pela força”, acrescentou.

O plano de “Paz para a Prosperidade” do governo Trump era apagar a questão palestina e tornar Israel uma parte legítima do Oriente Médio, mas “isso não acontecerá sem uma resolução para o assunto [palestino]”, advertiu Arouri.

Israel, disse Arouri, “não está preparado para pagar” o que a comunidade internacional exige por tal resolução, muito menos reconhecer o “direito” dos palestinos à terra.

“A direita palestina, árabe e islâmica é toda a Palestina. É nosso direito e ninguém pode mudar de opinião a esse respeito”, afirmou.

“Mesmo quando a comunidade internacional discute um [Estado palestino] dentro das fronteiras de 1967 com a capital em al-Quds [Jerusalém], a ocupação [Israel] não quer se comprometer com isso. [Israel] quer uma resolução que estabeleça o controle de Jerusalém e particularmente da Cisjordânia. Os residentes palestinos não terão direitos soberanos [de cidadão], mas apenas [direitos] como residentes. A administração Trump estúpida e insanamente correu para implementar essa visão.”

O governo dos EUA reconheceu Jerusalém como a capital de Israel e realocou sua embaixada para lá, e também reconheceu o direito de Israel de “anexar” assentamentos na Judéia e Samaria, disse ele.

O governo “pressionou os países de todo o mundo a transferir suas embaixadas para lá também”, acrescentou.

Os Estados Unidos também patrocinaram os Acordos de Abraham entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein enquanto “pulavam a questão palestina” e aplicaram imensa pressão sobre os países árabes a esse respeito, disse ele.

“Obviamente, os estados árabes têm a iniciativa [Paz Árabe de 2002], que diz que quando um estado palestino com Jerusalém como capital for estabelecido dentro das fronteiras de 1967, as relações diplomáticas entre a entidade [Israel] e a região árabe-islâmica se normalizarão. É claro que nos opomos a integrar a entidade e torná-la parte da região. Mas agora, a normalização com vários estados significa evitar os palestinos de forma conclusiva”, disse ele.

Arouri prosseguiu dizendo que a Autoridade Palestina, a Organização para a Libertação da Palestina e a facção Fatah estavam sob forte pressão porque fazem parte do sistema internacional e regional. Por outro lado, ele disse: “O Hamas é um movimento de resistência”.

“Nem os Estados Unidos nem a comunidade internacional têm as ferramentas para nos pressionar. O cerco [a Gaza] foi imposto sobre nós e lutamos diariamente contra a ocupação na Faixa de Gaza. Eles não têm os meios para nos pressionar, como fechar o escritório [da OLP] em Washington ou o Quarteto internacional do Oriente Médio [formado pelos Estados Unidos, Nações Unidas, União Europeia e Rússia] ou qualquer coisa do tipo”, ele disse.

Em resposta ao ex-chefe da inteligência da Arábia Saudita e embaixador do príncipe Bandar bin Sultan Al Saud dos EUA, que no início deste mês criticou a liderança palestina por criticar a decisão dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein de normalizar os laços com Israel, Arouri disse que os comentários de Bandar eram “parte do esforço para infringir a posição palestina e pressão [a liderança palestina].”

Arouri destacou que todas as facções palestinas se opõem ao acordo de paz dos EUA e que o Hamas rejeitou o convite americano para discuti-lo.

Fonte: Breaking Israel News.

18 de outubro de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário