Home Últimas Notícias A incerteza sobre as eleições nos EUA pode levar o país ao caos

A incerteza sobre as eleições nos EUA pode levar o país ao caos

autor: Últimos Acontecimentos

A polêmica em torno das eleições americanas parece longe do fim. Embora a mídia internacional tenha anunciado a vitória de Joe Biden, as tensões eleitorais só aumentam dia após dia, considerando que ambos os candidatos não estão dispostos a reconhecer a legitimidade de um resultado adverso. Trump acusa Biden de fraudar os resultados da eleição e pede uma nova contagem. Nesse sentido, Trump judicializou as eleições e espera permanecer na presidência por meio da decisão do Tribunal, o que abre o cenário para várias possibilidades, sem uma “vitória clara” para Biden, como várias agências de mídia têm noticiado em todo o mundo.

Enquanto esse cenário persistir, a decisão de reconhecer ou não Biden como o atual presidente americano continua opcional para cada país. Vários países da Europa e Oriente Médio já reconheceram Biden, entre eles França, Israel, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Catar. Na terça-feira, a Turquia, nação que teve uma proximidade real e importante com o governo Trump, também reconheceu Biden. No entanto, nações como Rússia, China e México continuam aguardando uma decisão judicial.

À medida que as tensões aumentam dentro e fora do país, os dois candidatos continuam articulando estratégias para garantir a vitória. E essas estratégias vão muito além do mero litígio. Em todo o país, os dois partidos estão convocando protestos e um grande investimento está sendo feito em diplomacia, com o objetivo de atrair apoio estrangeiro. Mike Pompeo, secretário de Estado americano, está programado para viajar a todos os países que já reconheceram Biden. O objetivo é simples: negociar possíveis acordos com esses países para reverter esse cenário, apresentando as “vantagens” em apoiar Donald Trump.

Mike Pompeo é uma figura central neste cenário e não pode ser ignorado de forma alguma. Em um discurso recente em uma conferência de TV, o secretário afirmou que “haverá uma transição suave para um segundo governo Trump (…)”. É no mínimo interessante e curioso como Pompeo garante que haverá tal transição. Pompeo não deu detalhes sobre como seria essa transição, mas seu histórico profissional nos mostra como pode ser, considerando que, tendo atuado como diretor da CIA e Secretário de Estado da maior potência mundial, Pompeo tem vasta experiência em inteligência avançada operações, tendo sido o pivô de diversos eventos no cenário internacional nos últimos anos. Certamente, a maioria de suas ações em tais operações nunca será tornada pública, tornando difícil prever o que acontecerá,

No entanto, é importante destacar que, mesmo durante a campanha eleitoral, Biden e Trump já haviam declarado que não se reconheceriam. Ambos os candidatos estão dispostos a levar a disputa às suas consequências finais, podendo haver um aumento exponencial dos índices de violência e instabilidade em todo o país. Isso, somado a um cenário de tensões raciais inflamadas com milícias étnicas armadas lutando nas ruas e uma pandemia que já matou mais de 240.000 americanos, só pode levar ao caos social completo, com aniquilação total da ordem política, econômica e legal de os EUA.

Pompeo pode, de fato, ganhar aliados importantes em suas viagens. Seu foco deve ser o Oriente Médio, visto que apesar da pressa dos árabes em parabenizar Biden, o democrata tem uma retórica muito agressiva com aquela região, prometendo excluir a Arábia Saudita das relações internacionais por violações de direitos humanos, além de planejar enviar mais tropas americanas para a Síria. Mas o que mais preocupa os estrategistas do governo Trump é a posição do Estado de Israel, que foi um dos primeiros aliados americanos a reconhecer Biden. Certamente, Pompeo tentará de todas as maneiras possíveis garantir o apoio israelense a Trump se a disputa piorar na América – resta saber, entretanto, qual lado Netanyahu preferirá.

Assim, em um cenário de dois candidatos teimosos, sem vontade de aceitar outro resultado que não a vitória, convocando protestos e acumulando aliados internacionais, temos a situação de um país com dois presidentes autoproclamados, agindo simultaneamente e em total oposição um ao outro . Em um cenário como esse, o caos se instalaria no país, agravando as tensões raciais, os separatismos regionais e as rebeliões populares, com as instituições governamentais impossibilitadas de atuar de maneira efetiva devido à incerteza sobre quem realmente governa o país. Isso representaria o fim não apenas da hegemonia liberal americana, mas da própria democracia americana.

Fonte: InfoBrics.

11 de novembro de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário