Home Israel Candidato à presidência da Líbia oferece reconhecimento a Israel por apoio

Candidato à presidência da Líbia oferece reconhecimento a Israel por apoio

por Últimos Acontecimentos
281 Visualizações

Um oficial de segurança israelense de alto escalão fez uma visita secreta a Trípoli na última semana de agosto como convidado do coronel Saddam Haftar, filho do chefe do exército nacional da Líbia, major-general, Khalif Haftar, relatam fontes de inteligência dos EUA.

Saddam Haftar está fazendo campanha para presidente da Líbia nas eleições de dezembro de 2021 contra Seif al-Islam Qaddafi (veja a foto), filho do falecido Muammar Qaddafi, que foi deposto em uma operação militar liderada pela OTAN e apoiada pelos Estados Unidos há uma década. Quando o emissário israelense sentou-se com o filho de Haftar, o rival deste último, Kadafi, júnior, estava sendo recebido em Moscou pelo presidente Vladimir Putin. Ele estava pedindo o apoio russo para sua corrida presidencial, embora os mercenários russos do Grupo Wagner tenham apoiado a batalha da oposição pelo controle de Trípoli.

Israel foi instado pelo presidente egípcio Abdel-Fatteh El-Sisi e pelo governante dos Emirados Árabes Unidos, xeque Muhammed al Zayed, a se juntarem à coalizão em apoio a Gen, a luta de Haftar para capturar Trípoli, bem como seu apoio à candidatura de seu filho à presidência. Cairo fornece-lhe armas e operações da força aérea, enquanto os Emirados Árabes Unidos fornecem unidades de forças especiais e um pequeno esquadrão de caça.

Quando o general Hafter visitou o Cairo em 11 de agosto, ele não apenas conversou com o presidente Sisi, mas também se encontrou com o embaixador dos Estados Unidos, Richard Norland. A inclusão de Israel na coalizão pró-Haftar foi discutida na primeira entrevista. Na segunda, o general tentou avaliar as chances de afastar os EUA de seu apoio ao governo de transição de Abdelhamid Dabaiba em Trípoli. Ataques aéreos dos EUA nos últimos meses objetivaram retardar a longa batalha do exército de Haftar pela invasão de Trípoli.

O coronel Saddam Hafter, de acordo com seus confidentes, fez uma oferta ao visitante israelense; Se ele chegasse à presidência, a Líbia estabeleceria relações normais com Israel, em troca do fornecimento de sistemas de armas e inteligência. Nada foi conquistado nessa fase. Se o acordo for aprovado, Israel terá expandido significativamente o anel de laços regionais normais abertos dramaticamente no ano passado com os Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos, além de seus pactos de paz históricos com Egito e Jordânia.

Fontes de inteligência do DEBKAfile relatam que Washington não tinha conhecimento do contato Israel-Haftar. O ex-presidente Donald Trump favoreceu a guerra do general Haftar para derrubar o governo reconhecido pela ONU e tomar a capital de Trípoli. Eles costumavam falar por telefone. Seu sucessor Joe Biden ainda não decidiu qual será sua posição entre as facções orientais e ocidentais do conflito líbio. Apesar do cessar-fogo e do progresso no início deste ano em direção a uma solução política para a crise da Líbia, os confrontos armados continuam em Trípoli e arredores.

Além de um importante avanço diplomático, Israel tem uma participação adicional no empreendimento Haftar, na medida em que seu sucesso seria um grande destaque na intervenção da Turquia na guerra civil da Líbia. O presidente Recep Erdogan tem fornecido apoio militar, bem como recrutado forças sírias em apoio ao governo de Trípoli, com o qual assinou em 2019 um acordo Turquia-Líbia para a divisão arbitrária das águas do Mediterrâneo Oriental e seus depósitos de energia.

Esse acordo é obviamente contestado por Israel, Egito, Grécia e Chipre por usurpar ilicitamente seus interesses. Se Saddam Haftar fosse eleito presidente, esse acordo, nunca tendo sido reconhecido internacionalmente, seria nulo.

Fonte: DEBKA.

09 de setembro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário