Home Guerras China diz que nunca será a primeira a usar armas nucleares

China diz que nunca será a primeira a usar armas nucleares

autor: Últimos Acontecimentos

A China sempre aderiu ao princípio de não ser o primeiro país a usar armas nucleares – em nenhum momento e sob quaisquer circunstâncias, e prometeu não usar ou ameaçar usar aqueles Estados que não possuam armas nucleares, disse sexta-feira o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, durante uma entrevista coletiva.

O responsável sublinhou que a política do governo chinês nesta área está centrada em manter o “nível mínimo” dos seus arsenais nucleares necessário para garantir a segurança nacional, e esta é a sua posição principal.

Hua Chunying afirmou que a China deu sua própria contribuição para a manutenção da estabilidade estratégica global e afirma que é necessário respeitar o princípio do consenso e os mecanismos internacionais já existentes de desarmamento e não proliferação nuclear.

Em parte, é por isso que Pequim não planeja aderir ao Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, que entrou em vigor hoje e representa o primeiro instrumento multilateral juridicamente vinculativo para o desarmamento nuclear.

A porta-voz do Itamaraty destacou que o referido tratado viola os princípios mencionados e prejudica o sistema internacional de desarmamento e não proliferação nuclear baseado no Tratado de Não Proliferação Nuclear, além de não ser juridicamente vinculante para países que não fazem parte do acordo.

O Tratado de Proibição de Armas Nucleares, adotado em 7 de julho de 2017, foi ratificado por 50 países. As cinco maiores potências nucleares – Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido e França – recusaram-se a assiná-lo.

A Rússia explicou sua recusa em aderir ao acordo porque contradiz sua visão “de como devemos proceder no caminho do desarmamento nuclear”.

Embora Moscou compartilhe “o objetivo de um mundo livre de armas nucleares”, ele insta “uma abordagem sóbria e realista para a tarefa do desarmamento nuclear: é uma meta de longo prazo que deve ser abordada passo a passo e trabalhar essa direção deve ser realizada em condições de fortalecer a estabilidade estratégica e levando em conta os interesses de segurança nacional de todos os países, incluindo, é claro, a Rússia ”, explicou o Itamaraty ao jornal Izvestia.

Fonte: RT.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

22 de janeiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário