Home Israel Hamas está conquistando cidades cristãs de Israel

Hamas está conquistando cidades cristãs de Israel

por Últimos Acontecimentos
72 Visualizações

“O Hamas está tentando dominar Nazaré e outras cidades árabes em Israel e até mesmo membros do nosso Conselho Municipal os estão encorajando a serem leais aos palestinos e não a Israel.” Essa é a revelação explosiva oferecida por Elias Zarena, um árabe cristão de Nazaré, em entrevista exclusiva ao Israel Today.

O que a maior parte do mundo ainda precisa entender, e até mesmo muitos em Israel, são as estratégias ocultas do Hamas e dos palestinos para impedir que cerca de dois milhões de cidadãos árabes israelenses, cristãos e muçulmanos, se integrem à sociedade israelense e, em vez disso, joguem sua sorte com os inimigos islâmicos de Israel. Por seus esforços, a vida de Elias é ameaçada regularmente.

“O que aconteceu em Sheikh Jarrah e depois em Gaza fazia parte do plano”, disse Elias ao Israel Today . “Toda a violência recente nas cidades israelenses foi financiada e organizada pelo Hamas. Eles estão tentando transformar as cidades árabes de Israel em redutos palestinos”.

Na semana passada, a igreja Batista em sua cidade natal, Nazaré, foi vandalizada e uma bandeira palestina estampada na parede frontal com a ameaça: “Nenhum judeu e nenhum cristão será capaz de nos impedir”. Sim, ali mesmo na cidade natal de Yeshua (Jesus), os muçulmanos pregaram um aviso tanto aos judeus, a quem Yeshua pertencia, quanto aos cristãos, seus seguidores. Quando um vereador da cidade de Nazaré disse à igreja: “Se você remover a bandeira palestina, vamos colocá-la de volta no ar”, Elias não se surpreendeu. “Estes não são apenas radicais islâmicos, mas membros do governo israelense impondo a identidade palestina aos árabes israelenses! Como Ahmed Tibi (ex-conselheiro de Yasser Arafat e membro do Knesset israelense), e os partidos árabes Balad e a Lista Árabe Conjunta que fazem parte do Knesset. Eles até trabalham junto com os comunistas árabes em Israel!”

Não é apenas a Igreja Batista em Nazaré que está sendo atacada, mas os cristãos árabes e suas igrejas em todo o país estão cada vez mais se identificando como palestinos e se aliando aos inimigos de Israel. “Eles se opõem ao Estado judeu e querem que nos identifiquemos com a Palestina”, explicou Elias. “Esses são israelenses muçulmanos e cristãos que ainda pensam que pertencem à ‘Palestina’. Em todos os esforços de paz, de Camp David a Oslo, nenhum deles jamais falou sobre os árabes israelenses ou como trabalhar junto com Israel”.

Enquanto a maior parte da mídia internacional culpa Israel pelo “tratamento ruim” que dispensa aos cidadãos árabes, ou mesmo pelo apartheid, Elias destaca que, por 73 anos desde a fundação do Estado de Israel, os árabes israelenses nada fizeram para se aproximar de Israel. “Tivemos um Ministro das Comunicações, um Ministro da Educação e muitos outros árabes israelenses no governo israelense e nenhum deles fez nada para ajudar os árabes a se integrarem à sociedade israelense. ‘Você pertence a nós. Você é parte da Palestina ‘, dizem aos árabes israelenses”.

Mas Elias disse que é hora de seu povo acordar: “Os palestinos não se importam com você. Nunca acontecerá que Israel se torne Palestina. Se você deseja construir uma vida melhor para si mesmo, coopere com Israel. Aprenda hebraico, arrume um emprego junto com nossos irmãos judeus, em vez de ficar o tempo todo ouvindo as reclamações palestinas e slogans contra Israel”.

Elias trabalha há décadas com os árabes israelenses para ajudá-los a se integrarem à sociedade israelense. Ele está fazendo isso junto com Amit Barak, um judeu que vive em Gush Etzion, o coração do movimento de colonos da pátria bíblica. Por meio de sua Iniciativa Jerusalemita, eles ministram aulas de hebraico para árabes israelenses e trabalham em conjunto com as Forças de Defesa de Israel (IDF) para recrutar árabes locais para o serviço militar e lutar por Israel. “Se ninguém falar e derrubar essas paredes de mentiras, o que acontecerá com a próxima geração?” Elias perguntou. “Posso deixar as coisas como estão para que nossos filhos continuem com a raiva e o ódio entre palestinos e israelenses? Como cristãos, temos a responsabilidade de defender a verdade e ser pacificadores”.

Elias passou a explicar:

“A língua nativa desta terra é o hebraico! E depois dos judeus, fomos um dos primeiros nesta terra a crer em Jesus. Essa é a nossa identidade. Jesus era judeu e foi à sinagoga. Fazemos parte desta terra e queremos viver junto com o povo judeu. Abra o Antigo e o Novo Testamento, digo ao meu povo. Você vê que isso é Israel e é tudo sobre os judeus!

“Os palestinos lutam pelo Monte do Templo, é uma grande mentira e a Mesquita de Al Aqsa no Monte do Templo é uma manobra enganosa. Essa montanha é mencionada na Bíblia e faz parte de Eretz Yisrael, a Terra de Israel.

“Mas os palestinos escondem isso de nosso povo. Eles reescrevem a história até mesmo nos livros didáticos de nossos filhos. Estamos tentando restaurar nossa história e cultura cristã aqui em Israel, nossa pátria.

“Também nos conectamos com cristãos de língua árabe em todo o Oriente Médio para encorajá-los a apoiar Israel. Os jovens do Iraque, da Síria e da Europa estão especialmente abertos a Israel e gostariam muito de visitar aqui algum dia.

“Quero que nosso povo compreenda que Israel é um Jardim do Éden. Aqui vivemos livremente sem medo, somos respeitados e considerados parte integrante da sociedade como cristãos. Eu amo Israel e o povo judeu. Tendo crescido aqui, sei o que significa crescer como cristão em Jerusalém. Os muçulmanos nos pressionam para lutar contra Israel. Eles preferem guerrear com Israel do que resolver as coisas e fazer as pazes com a nação judaica. Somos cristãos árabes israelenses e temos orgulho de fazer parte do Estado Judeu junto com nossas igrejas e instituições.

“Queremos construir nosso país juntos, não apenas criticar e culpar uns aos outros por seus problemas. Não podemos simplesmente aproveitar o tempo todo; também precisamos dar e apoiar Israel. ”

Alguém poderia pensar que haveria apoio para Elias e seu trabalho entre os “ativistas pela paz”, os partidos políticos de esquerda em Israel. Mas o oposto é verdadeiro. A esquerda continua a alimentar a raiva e as críticas de Israel entre os árabes cristãos. Eles se opõem a ajudá-los a se integrarem à sociedade israelense porque então parariam de apoiar a agenda da esquerda de derrubar o governo com boicotes e propaganda anti-Israel.

Historicamente, em Israel, sempre foram os líderes de direita que fizeram a paz entre Israel e os países árabes.

Fonte: Israel Today.

07 de junho de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário