Home Guerras Israel: EUA pavimentam caminho para bomba nuclear iraniana com pressão para reingressar no acordo nuclear

Israel: EUA pavimentam caminho para bomba nuclear iraniana com pressão para reingressar no acordo nuclear

por Últimos Acontecimentos
180 Visualizações

Israel avisou que os Estados Unidos estavam ajudando o Irã a desenvolver um arsenal de armas nucleares com sua decisão na noite de quinta-feira de pressionar pelo retorno ao acordo com o Irã de 2015.

“Israel continua comprometido em evitar que o Irã obtenha armas nucleares e sua posição sobre o acordo nuclear não mudou”, disse o Gabinete do Primeiro Ministro.

“Israel acredita que voltar ao antigo acordo abrirá o caminho do Irã para um arsenal nuclear. Israel está em contato próximo com os Estados Unidos sobre este assunto”, acrescentou.

Desde o início, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se opôs ao Plano de Ação Conjunto Global de 2015, conhecido como o acordo com o Irã, que foi acordado entre Teerã e as seis potências mundiais: EUA, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China.

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, havia desistido do negócio em 2018, que havia sido negociado durante o mandato do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Trump então voltou a impor sanções paralisantes dos EUA ao Irã, que haviam sido suspensas em troca do acordo.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, agora declarou formalmente sua intenção de buscar um retorno ao acordo e está disposto a manter conversações com o Irã sobre a retomada do acordo.

A União Europeia está trabalhando na organização de uma reunião informal com todos os participantes do acordo nuclear com o Irã e os Estados Unidos, que já sinalizaram disposição para participar de qualquer reunião, disse um alto funcionário da UE na sexta-feira.

Nenhum convite foi enviado e não há prazo para a reunião, mas as potências mundiais querem reviver o acordo nuclear o mais rápido possível, disse o oficial.

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, disse que as sanções dos EUA devem ser rescindidas antes que se considere voltar a cumprir o acordo.

Quando as sanções forem suspensas, “nós então reverteremos imediatamente todas as medidas corretivas. Simples”, disse Zarif no Twitter.

Destacando a urgência de uma solução diplomática para o impasse, um alto funcionário iraniano disse à Reuters que Teerã estava considerando a oferta de Washington de falar sobre a retomada do acordo.

“Mas primeiro eles devem voltar ao acordo. Depois, no âmbito do acordo de 2015, um mecanismo para basicamente sincronizar as etapas pode ser discutido”, disse o funcionário.

Washington disse na quinta-feira que estava pronto para conversar com o Irã sobre o retorno de ambas as nações ao acordo nuclear que visa impedir Teerã de adquirir armas nucleares.

“Nunca buscamos armas nucleares e isso não faz parte de nossa doutrina de defesa”, disse o funcionário. “Nossa mensagem é muito clara. Retire todas as sanções e dê uma chance à diplomacia.”

Teerã estabeleceu um prazo de 23 de fevereiro para que Washington comece a reverter as sanções, caso contrário, diz, dará seu maior passo até agora para quebrar o acordo – proibindo inspeções de curto prazo pelo órgão de vigilância nuclear da ONU, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Os Estados Unidos e as partes europeias do acordo instaram o Irã a se abster dessa medida e repetiram suas preocupações com as recentes ações de Teerã para produzir urânio enriquecido até 20% e urânio metálico.

“Temos que implementar a lei. A outra parte deve agir rapidamente e suspender essas sanções injustas e ilegais se quiserem que Teerã honre o acordo”, disse a autoridade.

As inspeções de curto prazo da AIEA, que podem ir além das instalações nucleares declaradas do Irã, são ordenadas pelo “Protocolo Adicional” da AIEA que o Irã concordou em honrar no acordo. Assinou o Protocolo em 2003, mas não o ratificou.

Mais cedo, Zarif disse em uma entrevista postada em um site do governo que os Estados Unidos não só não cumpriram com suas obrigações, mas continuam a “pressão máxima fracassada” de Trump, apesar de afirmar que estão prontos para reviver o acordo nuclear.

“Assim, os europeus devem observar que a pressão sobre o Irã não funciona, nem comentários inúteis de qualquer utilidade”, disse Zarif, acrescentando: “Assim que virmos medidas dos Estados Unidos e da Europa para cumprir suas obrigações, reagiremos imediatamente e voltar aos nossos compromissos.”

Em Londres, o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, James Cleverly, reiterou que o Irã precisa retomar o cumprimento do acordo, acrescentando que o Ocidente não deve enviar sinais de que está preparado para ignorar as violações do acordo por Teerã.

Biden disse que usará a retomada do acordo nuclear como trampolim para um acordo mais amplo que pode restringir o desenvolvimento de mísseis balísticos do Irã e as atividades regionais.

Teerã descartou negociações sobre questões de segurança mais amplas, como o programa de mísseis iraniano.

Fonte: The Jerusalém Post.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

19 de fevereiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário