Home Guerras Khamenei: Se quiséssemos armas nucleares, ninguém, incluindo o ‘palhaço sionista’, poderia nos impedir

Khamenei: Se quiséssemos armas nucleares, ninguém, incluindo o ‘palhaço sionista’, poderia nos impedir

por Últimos Acontecimentos
124 Visualizações

O líder supremo iraniano, Ayotallah Ali Khamenei, afirmou na segunda-feira que seu país não tem interesse em uma arma nuclear, mas disse que se quisesse, ninguém – incluindo Israel – poderia evitá-la.

Khamanei também disse que o Irã poderia aumentar o enriquecimento de urânio para 60 por cento, no último sinal de que a República Islâmica se afastou do acordo nuclear de 2015, enquanto o governo Biden busca reviver o acordo rejeitado pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

“Esse palhaço sionista internacional disse que não permitirão que o Irã produza armas nucleares. Em primeiro lugar, se tivéssemos essa intenção, mesmo aqueles mais poderosos que ele não seriam capazes de nos parar ”, escreveu Khamenei em sua conta no Twitter, em aparente referência ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

Netanyahu, um importante crítico do acordo nuclear, prometeu repetidamente que Israel está preparado para agir militarmente para impedir o Irã de obter uma arma atômica.

Khamenei novamente insistiu que o Irã não tem interesse em adquirir armas nucleares, uma posição que ele disse ser “baseada em fundamentos islâmicos e comandos que proíbem armas que são usadas para matar pessoas comuns”. Ele então acusou: “Quem massacra 220.000 pessoas com armas nucleares são os EUA.”

Mas, ao mesmo tempo, ele prometeu “não recuar na questão nuclear” e indicou que o Irã aumentaria ainda mais o enriquecimento de urânio.

“O limite de enriquecimento do Irã não será de 20%, e vamos agir até o ponto que for necessário e o país exigir”, disse ele em seu site oficial, acrescentando que “podemos trazer enriquecimento de 60%” para propelentes nucleares e outros fins.

O Irã está atualmente enriquecendo urânio a 20%, o que é apenas um passo técnico longe dos níveis de 90% para armas. Segundo o acordo que limita o programa nuclear do Irã em troca de sanções, Teerã foi limitado a enriquecer urânio a 3,67%.

Os comentários de Khamenei foram feitos quando o secretário de Estado, Antony Blinken, disse que os Estados Unidos estavam preparados para retornar ao acordo nuclear se Teerã mostrar “cumprimento estrito” dele.

Falando na Conferência sobre Desarmamento, apoiada pela ONU, Blinken apresentou uma lista de desejos dos EUA sobre muitas questões, incluindo a proliferação de armas de destruição em massa e ameaças espaciais no futuro. Ele expressou preocupação sobre um teste de armas anti-satélite russo no ano passado e os “programas de desenvolvimento de armas provocantes e perigosas” da China, além da mensagem sobre o Irã.

Os comentários de Blinken por vídeo sinalizaram mais um passo da administração Biden para voltar a se envolver com muitas instituições e acordos internacionais que foram rejeitados, rejeitados ou amplamente ignorados por Trump. É a primeira vez em anos que um importante diplomata dos EUA fala com o órgão de desarmamento, que se tornou principalmente um local para os países expressarem preocupações sobre o desarmamento porque não conseguiu estabelecer acordos.

Os comentários sobre o Irã foram talvez a mensagem mais oportuna de Blinken, surgindo na esteira de novos sinais de que Teerã está se afastando – e não em direção a – de um compromisso com governos ocidentais sobre o acordo nuclear.

Blinken disse que os Estados Unidos estão preparados para retornar ao acordo “se o Irã voltar a cumpri-lo estritamente”.

Ele enfatizou que os EUA continuam comprometidos em garantir que o Irã “nunca adquira uma arma nuclear”, acrescentando: “A diplomacia é o melhor caminho para atingir esse objetivo”.

Trabalhando com aliados e parceiros, ele disse que os EUA terão como objetivo “alongar e fortalecer” o acordo nuclear, firmado durante o governo Obama entre o Irã e a Alemanha, França, Grã-Bretanha, Rússia, China e os EUA. Trump tirou os EUA três anos depois.

No domingo, o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Grossi, disse a repórteres após uma viagem de emergência a Teerã que o governo do Irã começaria a oferecer “menos acesso” aos inspetores de armas da ONU – envolvendo mudanças não especificadas no tipo de atividade que a agência pode realizar.

Grossi disse que o monitoramento continuará de forma “satisfatória”, apontando para um “entendimento técnico” de três meses para garantir a continuidade de algum tipo de fiscalização. Ele ressaltou que os líderes europeus e americanos precisam salvar a situação por meio de negociações.

Khamenei disse na segunda-feira que o Irã deve cumprir sua promessa de encerrar as inspeções internacionais em suas instalações nucleares. O parlamento do Irã, dominado pelos conservadores, meses atrás, aprovou uma lei estipulando que, se os EUA não suspenderem as sanções até este domingo, o Irã suspenderá algumas inspeções da AIEA a partir de terça-feira.

“Se Deus quiser, amanhã outra parte dessa legislação será implementada. Essa lei, que é boa, deve ser executada com precisão”, tuitou.

De acordo com um relatório na sexta-feira, os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica encontraram partículas de urânio em duas instalações nucleares iranianas às quais o Irã tentou bloquear o acesso.

As autoridades iranianas impediram os inspetores de chegarem aos locais por sete meses antes da inspeção, e as autoridades iranianas não explicaram a presença do urânio, informou a agência de notícias Reuters, citando diplomatas familiarizados com o trabalho da agência da ONU.

As inspeções ocorreram em agosto e setembro de 2020, disse o relatório. A AIEA mantém suas descobertas em segredo e só compartilhou os detalhes da descoberta com alguns países.

O Wall Street Journal relatou as descobertas suspeitas no início deste mês, sem identificar o material.

O relatório da Reuters não identificou os sites. Relatórios anteriores diziam que um dos locais estava em Abadeh, ao sul de Isfahan – um local que em setembro de 2019 foi sinalizado por Netanyahu como o local de uma suposta instalação nuclear secreta. O Irã nega que busca armas nucleares; Netanyahu está inflexível de que o regime está enganando o mundo e disse que um tesouro de documentos nucleares relativos a seu programa desonesto, contrabandeado de Teerã pelo Mossad dois anos, prova a duplicidade do Irã.

Fonte: Times Of Israel.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

23 de fevereiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário