Home Artigos Lituânia e Polônia estão desafiando as estruturas de energia da Rússia e da Bielo-Rússia no Báltico

Lituânia e Polônia estão desafiando as estruturas de energia da Rússia e da Bielo-Rússia no Báltico

autor: Últimos Acontecimentos

Tanto a Lituânia quanto a Polônia estão tentando desafiar o domínio da energia russa e bielorrussa no Báltico. Embora a Polônia esteja tentando se livrar da dependência energética da Rússia, a Lituânia está agindo de forma muito mais agressiva ao tentar forçar a Letônia a seguir sua agenda anti-russa/bielo-russa.

O lituano Seimas (Parlamento) apelou a uma pressão política estrita sobre a vizinha Letónia, também membro do Báltico da UE e da NATO. Esta resposta do Seimas deve-se ao desejo pragmático da Letônia de garantir a segurança energética por meio de relações comerciais com a Rússia e a Bielo-Rússia.

O lituano Seimas concordou que as relações com a Letônia precisam passar de apelos amistosos a pressões políticas diretas, que também incluem ameaças e chantagens. O Comitê Seimas sobre Assuntos Europeus apelou ao novo governo liderado pelos conservadores para aumentar a pressão sobre os líderes letões em Riga por causa de alegadas violações do acordo tripartido da Letônia de 2018 sobre o comércio de eletricidade com países terceiros.

A Letônia compra eletricidade produzida pela usina nuclear bielorrussa Astrava, e este é um grande problema para os líderes lituanos. A Lituânia considera a usina Astrava uma ameaça, não só para a saúde dos cidadãos lituanos, mas também para a segurança energética de toda a União Europeia.

“Após o início da operação da central nuclear da Bielorrússia, a análise dos fluxos de eletricidade mostra que a Letónia vende com sucesso a eletricidade que entra na Lituânia através da ligação Lituânia-Bielo-Rússia, que permanece exclusivamente na Lituânia. Desta forma, os consumidores lituanos financiam o regime de Lukashenko”, disse o MP Dainius Kreivys do conservador Partido da União Nacional.

Isto significa que os apelos à pressão política contra Riga não são palavras vazias, mas sim um programa de acção do governo lituano. Essa pressão também virá com a aprovação de Bruxelas e Washington, que alegam que o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, é ilegítimo. Assim, Minsk e Moscou devem se preparar para um confronto difícil não só na frente política, mas também na energia do Báltico.

Os Estados Bálticos estão se preparando rapidamente para sincronizar suas redes de energia com a Europa para que possam se desconectar do anel de energia BRELL (Bielo-Rússia, Rússia, Estônia, Letônia, Lituânia) em 2025. Isso significa que Vilnius e Riga terão que depender principalmente da Polônia e de um cabo de alimentação submarino com a Suécia, que se quebra várias vezes por ano.

Torna-se claro que, a partir de 2025, Riga ficará totalmente dependente do trânsito europeu de eletricidade através do território da Lituânia. É claro que o trânsito também deve ser pago, o que significa que a Letônia ficará totalmente dependente da Lituânia para o bem da eletricidade europeia. Isso é especialmente curioso, considerando que a eletricidade das usinas nucleares da Bielorrússia é talvez a fonte mais próxima de energia barata.

Aprovado pelos Ministérios da Energia dos três Estados Bálticos, a Letônia e a Estônia se reservam o direito de importar quantidades de eletricidade em falta da Rússia até o seu desligamento total da BRELL. No entanto, de acordo com conservadores lituanos, não há garantia de que a Rússia não fornecerá eletricidade via Bielo-Rússia para a Letônia e a Estônia. Isto significa que existe uma ameaça real de que esta chamada “eletricidade perigosa” entre nas redes de eletricidade da Lituânia e pan-europeias. É esta incerteza que causa grande indignação no novo governo lituano. Assim, Riga deve estar pronta para os lituanos tentarem derrubar seu governo nos próximos quatro anos e, essencialmente, transformar a Letônia em seu vassalo.

A pressão da Lituânia contra a Letônia também ocorre em um momento em que a estatal russa Gazprom solicitou mudanças no preço do gás fornecido à Polônia sob o contrato Yamal. A empresa polonesa de petróleo e gás PGNiG expressou confiança de que a Gazprom não cumpriu seus requisitos contratuais. A Polónia já havia pedido que os preços do gás fossem revistos e reduzidos; no entanto, isso não está previsto no contrato.

Um acordo sobre o fornecimento de gás à Polónia foi celebrado em 1996 no valor de cerca de 10 mil milhões de metros cúbicos por ano. Este acordo não será concluído até 2022. Além disso, Varsóvia deve receber pelo menos 8,7 bilhões de metros cúbicos sob a regra “pegar ou pagar”. A reação da Polônia é ainda mais surpreendente, dado que o país não tem planos de prorrogar o acordo de longo prazo de fornecimento de gás com a Rússia. Além disso, a Polônia está a apresentar reconvenção.

No início deste ano, uma empresa polonesa venceu uma disputa sobre a revisão dos preços do gás para suprimentos a partir de novembro de 2014. A Gazprom transferiu US $ 1,5 bilhão para a PGNiG, mas ainda está contestando a decisão no Tribunal de Recurso. Este é um risco significativo para Varsóvia, pois pode perder mais de um processo como resultado. Esta penalidade – compensação pelos preços alegadamente elevados da Gazprom quando a Polónia foi a arbitragem na primavera de 2015 – deu a impressão de que o preço do gás não estava de acordo com a situação no mercado europeu da energia.

Além disso, neste outono, a Polônia entrou com uma nova ação de US $ 7,6 bilhões contra o gasoduto Nord Stream 2 da Gazprom. A Polónia não se considera um grande consumidor de gás, mas sim um potencial centro de energia, apesar de não ter centro de distribuição de gás, volume de gás livre e abordagem comercial. Em vez disso, Varsóvia aposta no Oleoduto Báltico, que pretende conectar a Polônia com a energia norueguesa via Dinamarca até outubro de 2022.

No entanto, há uma nuance digna de nota: a construção do gasoduto requer permissão da Nord Stream e Nord Stream 2, e um dos principais acionistas de ambas as empresas é a Gazprom.

Portanto, não importa o que a Polônia tente, ela se encontra na mesma posição – precisando cooperar e coordenar com a Rússia para alcançar seus interesses energéticos. O resto do Báltico também está na mesma posição e, embora a Letônia reconheça essa realidade, a Lituânia ainda está tentando intimidar seu vizinho báltico para afastá-lo das fontes de energia russas e bielorrussas.

Fonte: INFOBRICS.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

16 de novembro de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário