Home Pestes Mudanças climáticas podem desencadear casos de amebas “comedoras de cérebro” e bactérias “carnívoras”, alertam os especialistas

Mudanças climáticas podem desencadear casos de amebas “comedoras de cérebro” e bactérias “carnívoras”, alertam os especialistas

por Últimos Acontecimentos
223 Visualizações

Cientistas americanos expressaram preocupação com a possibilidade de que a mudança climática contribua para uma disseminação maior e mais rápida de patógenos perigosos como a ameba ‘Naegleria fowleri’ e a bactéria ‘Vibrio vulnificus’, de acordo com um relatório do canal ABC News.

Ambos os microrganismos, frequentemente descritos como ‘comedores de cérebro’ e ‘comedores de carne’ respectivamente, habitam principalmente lagos e rios e prosperam e se multiplicam mais rápido em ambientes quentes. Portanto, o aquecimento global “está intensificando a oportunidade para que esses seres nocivos cruzem nosso caminho”, disse Melissa Baldwin, diretora de uma associação de profissionais de saúde na Flórida que ensina sobre os danos das mudanças climáticas e defende soluções.

Sandra Gompf, especialista em doenças infecciosas e professora de medicina da University of South Florida, enfatiza que períodos cada vez maiores de calor também contribuem para o seu crescimento. No passado, as infecções por Naegleria eram raras na América do Norte, porque as fontes de água na região geralmente não tinham temperaturas quentes o suficiente para suportá-las, mas “nos últimos 10 anos, mais e mais casos fora dos níveis normais foram diagnosticados”.

As chuvas, também afetadas pelas mudanças climáticas, são um fator importante na transmissão desses agentes infecciosos. Yun Shen, professor assistente da Universidade da Califórnia, adverte que inundações causadas por enchentes extremas facilitariam esse processo. Por outro lado, como as variações climáticas trazem furacões mais fortes, que obrigam mais água salgada a se misturar com água doce, estão sendo criadas grandes áreas salobras que constituem um ambiente muito favorável para a reprodução do ‘Vibrio vulnificus’, acrescenta Baldwin.

“Com a mudança climática em curso, isso não é algo que irá desaparecer. É provável que, com o aumento da temperatura, a água se torne um ambiente mais hospitaleiro para abrigar organismos, não apenas como este, mas outras bactérias e patógenos”, conclui Darien Sutton, colaborador médico da ABC News.

Em que consiste?

A ‘Naegleria fowleri’ é a causa de uma doença conhecida como meningoencefalite amebiana primária, uma infecção que causa a destruição do tecido cerebral. À medida que a doença progride, ocorre rigidez do pescoço, convulsões e coma, que podem causar a morte em uma média de cinco dias. Uma vez diagnosticado, é difícil de tratar e, quando o paciente apresenta sintomas, muitas vezes é tarde demais para salvar, diz Sutton.

Essa ameba “comedora de cérebro” atinge o cérebro quando a água contaminada entra no corpo pelo nariz e afeta principalmente homens e meninos, que são mais propensos a participar de atividades aquáticas que aumentam o risco de infecção. Por este motivo, é importante tapar o nariz ou evitar colocar a cabeça completamente debaixo d’água ao nadar em água doce.

Enquanto isso, o ‘Vibrio vulnificus’ pode causar fasceíte necrotizante, uma infecção grave na qual os tecidos ao redor de uma ferida aberta morrem. Os infectados precisam de cuidados intensivos ou amputação de membros e cerca de um em cada cinco morre, às vezes depois de apenas um ou dois dias após adoecer, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

As bactérias ‘carnívoras’ podem ser contraídas pela ingestão de ostras cruas ou mal cozidas e outros peixes e mariscos, bem como por meio de uma ferida aberta que entre em contato com esses produtos, seus sucos ou respingos, ou com a água salgada ou salobra que eles conter. Pessoas com doenças subjacentes, como diabetes, doença hepática ou imunodeficiência, têm maior probabilidade de serem infectadas.

Fonte: RT.

“…e pestes…” Mateus 24:7

02 de junho de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário