Home Grandes Sinais do Céu “O relógio da destruição planetária não vai parar”

“O relógio da destruição planetária não vai parar”

por Últimos Acontecimentos
317 Visualizações

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, alertou nesta quarta-feira sobre a necessidade urgente da humanidade de construir “um novo paradigma de desenvolvimento” que seja sustentável e sustentável para frear os graves efeitos causados ​​pelas mudanças climáticas e que afetam todo o planeta.

“O momento é agir agora, o relógio da destruição planetária não vai parar a menos que construamos um novo paradigma de desenvolvimento”, disse Fernández durante o início do fórum virtual chamado ‘Diálogo de Alto Nível sobre Ação Climática nas Américas’ , no qual participam vários presidentes latino-americanos, o enviado especial para o Clima dos EUA, John Kerry, e o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres.

Nesta atividade, que se realiza como preâmbulo da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 25), que se realizará em Glasgow, Escócia, de 31 de outubro a 12 de novembro, Fernández frisou que para conseguir uma verdadeira mudança para a favor de o meio ambiente, o mundo precisa chegar a um acordo sobre “ um grande pacto de sociabilidade ambiental que inclua os países de menor recursos e de renda média” .

Fernández também destacou que a gravidade das mudanças climáticas não aponta apenas para danos ambientais, mas está intimamente relacionada aos aspectos sociais e econômicos. “ Não há crise ecológica alheia à crise social , nem alheia à necessidade de repensar os pilares da arquitetura financeira internacional”.

“É preciso levar em conta o endividamento tóxico e predatório, o choque é climático e financeiro, e isso não é compatível para um mundo melhor . O conceito de dívida ambiental e de credores ambientais são fundamentais para sair da crise”, disse.

Argentina propõe um novo modelo

O presidente argentino destacou ainda que o planeta precisa de um novo modelo de desenvolvimento que chamou de “ Justiça Social Ambiental ”.

Nesse sentido, anunciou que formalizará, na cúpula de Glasgow, um aumento de 2% na contribuição da Argentina para a ação climática e ambiental, a fim de reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

“Resulta um compromisso de 27,7%, superior ao apresentado em 2016”, disse Fernández, da Casa Rosada, sede oficial da Presidência, acrescentando que, além dos acordos, os governos devem “oferecer soluções criativas baseadas em um realidade difícil”.

O presidente também propôs qualificar o desmatamento como crime ambiental e alertou que os países mais fortes devem e precisam mobilizar recursos para os países em desenvolvimento.

A nível local, detalhou que o seu Governo executa o Plano Nacional de Adaptação e Integração às Alterações Climáticas e neste âmbito irá criar uma mesa de transição para promover as energias renováveis ​​e promover um complexo agroexportador produtor destas energias, que seria baseado em hidrogênio.

O compromisso dos EUA e a convocação da ONU

Por sua vez, o enviado especial dos Estados Unidos para o Clima, John Kerry, prometeu – em seu discurso – que até 2035 seu país produzirá apenas energia livre de carbono e que 50% dos veículos de seu país serão elétricos.

O delegado governamental de Joe Biden disse ainda que os Estados Unidos estudam a possibilidade de aumentar sua assistência para aumentar a produção de energia renovável na América Latina e no Caribe.

Entretanto, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, indicou que a América Latina e as Caraíbas, “como a maioria dos países em desenvolvimento”, precisam de apoio para conseguir ” uma transição para energias renováveis ​​e economias resilientes ” e para isso, alertou, que tanto os doadores como os bancos multilaterais de desenvolvimento devem reservar “pelo menos 50% de seu apoio climático”.

O diplomata explicou que neste momento os números ainda estão aquém da expectativa levantada, já que apenas 21% do financiamento é dedicado à adaptação de energias favoráveis ​​ao clima.

O chefe da ONU acrescentou que até agora os países em desenvolvimento precisam de pelo menos US $ 70 bilhões por ano para avançar nesse sentido e disse que esse número pode “quadruplicar” até o final da década atual.

Fonte: RT.

“…e grandes sinais do céu.” Lucas 21:11

08 de setembro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário