Home Israel Palestinos e Jordânia acusam Israel de ‘judaizar’ a Praça do Muro Ocidental

Palestinos e Jordânia acusam Israel de ‘judaizar’ a Praça do Muro Ocidental

autor: Últimos Acontecimentos

Os palestinos e a Jordânia acusaram Israel de tentar “judaizar” a Praça do Muro das Lamentações por causa das obras de reforma que estão sendo realizadas lá.

Referindo-se às reformas como “escavações”, os palestinos e a Jordânia pediram a suspensão imediata das obras no local.

O Departamento Wakf, controlado pela Jordânia, em Jerusalém oriental, que supervisiona os locais sagrados muçulmanos e cristãos, disse que as “escavações” eram “parte do projeto [israelense] para concluir a judaização da praça al-Buraq, a sudoeste da mesquita de al-Aqsa.”

O Wakf alegou que as renovações contradiziam o direito internacional humanitário e as decisões sobre o assunto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Al-Buraq é o nome que os muçulmanos usam para se referir ao Muro das Lamentações. Eles acreditam que é o local onde o profeta Maomé amarrou seu corcel alado, al-Buraq, em sua jornada a Jerusalém antes de ascender ao paraíso.

O Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que “pare com os crimes das forças de ocupação israelenses contra a Mesquita de al-Aqsa”.

O ministério condenou as “escavações” israelenses no Muro das Lamentações, referindo-se a ele como o “muro ocidental da mesquita de al-Aqsa”.

O ministério acusou ainda Israel de trabalhar para “judaizar” todo o local, bem como a mesquita al-Aqsa e o bairro vizinho de Silwan.

O xeque Omar Kiswani, diretor da Mesquita de al-Aqsa, afirmou que Israel estava tentando expandir a Praça do Muro das Lamentações “para que pudesse receber o maior número de colonos judeus que invadissem a Mesquita de al-Aqsa”.

Kiswani disse que a obra fazia parte de um esquema israelense para transformar a praça do Muro das Lamentações em uma área exclusivamente judaica.

O xeque Ikrima Sabri, presidente do Conselho Supremo Islâmico e ex-mufti da AP de Jerusalém, denunciou as reformas como um “ataque aos muçulmanos com o objetivo de mudar a identidade de Jerusalém e adulterar a herança e as antiguidades islâmicas”.

Sabri disse que o que estava acontecendo na Praça do Muro Ocidental foi no contexto da tentativa de Israel de “criar uma falsa identidade judaica”.

“Esta é uma mudança inaceitável da realidade”, acrescentou. “Isso contradiz as leis internacionais.”

A Jordânia, por sua vez, pediu a Israel que parasse imediatamente “as escavações em andamento e cumprisse suas obrigações como potência ocupante na Jerusalém oriental ocupada, e parasse de violar ou mudar a identidade da Cidade Velha”.

O Ministério das Relações Exteriores da Jordânia disse que condena as “escavações israelenses na praça al-Buraq, que é parte integrante da mesquita de al-Aqsa”.

Um porta-voz do ministério reiterou a “rejeição e denúncia da Jordânia de todas as medidas israelenses unilaterais”, dizendo que elas violavam o direito internacional.

Fonte: The Jerusalém Post.

11 de janeiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário