Home Artigos Turquia apela às forças internacionais para conquistar Jerusalém: ‘Profecia de Gogue e Magogue’

Turquia apela às forças internacionais para conquistar Jerusalém: ‘Profecia de Gogue e Magogue’

por Últimos Acontecimentos
600 Visualizações

Depois de uma reunião de gabinete no Complexo Presidencial em Ancara na noite de segunda-feira, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, deu uma entrevista coletiva na qual pediu à ONU, ao Conselho de Segurança da ONU, à Organização de Cooperação Islâmica (OIC) e a outras organizações internacionais para agir com foco na luta de Jerusalém para longe de Israel.

“ARRANJO SEPARADO EM JERUSALÉM”

“Neste ponto, acreditamos que haja a necessidade de um acordo separado em Jerusalém. Para alcançar paz e tranquilidade duradouras em Jerusalém, que contém os símbolos religiosos indispensáveis ​​de muçulmanos, judeus e cristãos, todos devem fazer sacrifícios”, disse Erdogan.

“Nas circunstâncias de hoje, seria o curso de ação mais correto e consistente para Jerusalém ser administrado por uma comissão de representantes das três religiões. Caso contrário, não parece que será facilmente possível alcançar uma paz duradoura nesta cidade antiga”, acrescentou.

Erdogan freqüentemente fez reivindicações perturbadoras sobre Jerusalém como um direito de nascença turco, talvez baseado na área que já fez parte do Império Otomano de 1516 a 1917.

“Nesta cidade que partimos aos prantos durante a Primeira Guerra Mundial, ainda é possível encontrar vestígios da resistência otomana. Portanto, Jerusalém é nossa cidade, uma cidade nossa”, disse ele em um importante discurso político em 2020.” Nossa primeira qibla [direção da oração no Islã] al-Aqsa e a Cúpula da Rocha em Jerusalém são as mesquitas simbólicas de nosso fé.”

Em seu discurso na segunda-feira, Erdogan se referiu a Israel como um “estado terrorista”.

“Este estado terrorista, que invadiu a privacidade de Jerusalém por um lado, enquanto bombardeava impiedosamente civis em Gaza e arrasava um prédio colossal que abrigava grupos da mídia por outro, é Israel”, disse Erdogan.

“Mas você [Israel] está usando força desproporcional e está jogando bombas em Gaza com seus aviões de guerra. Gaza tem aviões de guerra? Não. Os seus são incontáveis, com os quais você ataca.”

“A declaração de Jerusalém como capital de Israel pelos EUA e outros países que a seguiram no final de 2017 aumentou o apetite deste estado assassino para derramar sangue”, disse Erdogan.

“Aqueles que não têm interesse na morte de crianças palestinas por bombas estão apavorados que as crianças israelenses se assustem com o som dos mísseis. Veja isso! Deve-se ficar em silêncio quando as crianças são colocadas para dormir, não ser morto”, disse ele.

Erdogan também criticou o presidente Joe Biden por assinar um acordo de armas com Israel.

“Hoje, vimos a assinatura de Biden para a venda de armas para Israel. E descobrimos que se tratava de uma aprovação para vender 850.000 armas muito importantes. Quando se trata de conversar, falam em desarmamento”, disse.

“Sr. Biden, você se aliou aos armênios no chamado genocídio armênio. Agora, infelizmente, você está escrevendo a história com as mãos ensanguentadas sobre esses eventos de ataques seriamente desproporcionais a Gaza que causaram o martírio de centenas de milhares de pessoas”, acrescentou Erdogan.

Ele também condenou a Áustria por hastear uma bandeira israelense no prédio da Chancelaria.

“Voar a bandeira de um estado terrorista em um prédio oficial equivale a viver sob a projeção do terrorismo. O estado austríaco parece estar tentando fazer os muçulmanos pagarem pelo genocídio ao qual sujeitou os judeus”, disse ele.

Erdogan tem uma posição central na OIC, uma organização com 57 membros. A OIC realizou uma reunião de emergência no domingo devido ao conflito entre Israel e Hamas, pedindo uma intervenção internacional. “Esses esforços também devem incluir proteção física por meio da formação de uma força de proteção internacional com contribuições militares e financeiras de países dispostos”, disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, durante o encontro virtual, enfatizando que seu país está disposto a liderar o esforço.

Este anúncio levou a uma onda de postagens nas redes sociais retratando tropas turcas armadas se movendo em direção a Gaza.

Essas imagens foram rapidamente desmascaradas como sendo antigas e não retratando quaisquer eventos reais.

É interessante notar que İbrahim Kalin, o principal conselheiro de Erdogan, também criticava Israel:

“Israel alvejou a imprensa internacional, acrescentando uma nova para as violações dos direitos humanos e crimes de guerra nos territórios palestinos”, tuitou Kalin. Condenamos a crueldade israelense, que não conhece valores e fronteiras. Nossa luta contra este poder maligno continuará até que a ocupação termine e toda a Palestina seja libertada.”

A página inicial de Kalin no Twitter apresenta uma foto da Cúpula da Rocha no Monte do Templo.

Fonte: Breaking Israel News.

18 de maio de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário