Home Israel 156 nações da ONU afirmam assentamentos na Cisjordânia, leste de J’lem não faz parte de Israel

156 nações da ONU afirmam assentamentos na Cisjordânia, leste de J’lem não faz parte de Israel

autor: Últimos Acontecimentos

O Segundo Comitê da Assembleia Geral da ONU rejeitou o conceito de anexação de fato de Israel na noite de quarta-feira, aprovando um projeto de resolução por 156-6 estados membros que apelou às nações para garantir que não tratem os assentamentos da Cisjordânia e Jerusalém Oriental como uma parte do soberano Israel.

Os seis países que se opuseram à resolução foram Canadá, Israel, Ilhas Marshall, Micronésia, Nauru e Estados Unidos.

Israel anexou formalmente Jerusalém Oriental em 1980, um movimento que nunca foi reconhecido pelos EUA ou pela comunidade internacional. No entanto, nunca anexou os assentamentos da Cisjordânia.

Ainda assim, espera-se que a comunidade internacional trate os assentamentos como se a soberania tivesse sido aplicada e se essas áreas fossem parte de Israel.

Resolução 2334 do Conselho de Segurança da ONU, de 2016, exortou seus Estados membros a garantir que não participem de ações de anexação de fato.

A resolução “sublinhou, a este respeito, o apelo do Conselho de Segurança, na sua resolução 2334 (2016), a todos os Estados para distinguir, nas suas negociações relevantes, entre o território do Estado de Israel e os territórios ocupados desde 1967.”

A resolução de quarta-feira, aprovada anualmente, reconhece os direitos soberanos dos palestinos aos recursos naturais da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental, conclamando Israel a não explorar esses recursos.

A resolução também condenou a destruição israelense de estruturas palestinas ilegais. 

O texto afirmava que a AGNU afirmava os “direitos inalienáveis ​​do povo palestino e da população do Golã Sírio ocupado sobre seus recursos naturais, incluindo terra, água e recursos energéticos”.

Exigia “que Israel, a potência ocupante, cesse a exploração, o dano, a causa da perda ou esgotamento e o perigo dos recursos naturais no Território Palestino Ocupado, incluindo Jerusalém oriental, e no Golã Síria ocupado”.

A resolução também apelou a “que Israel não impeça o desenvolvimento palestino e a exportação das reservas de petróleo e gás natural descobertas”.

Também afirmou os direitos dos palestinos de serem compensados ​​pelo uso israelense de seus recursos naturais.

A resolução contra a exploração dos recursos naturais palestinos é um dos quase 20 textos que a Assembleia Geral aprova anualmente contra Israel. Nenhum outro país tem tantas resoluções contra ele.

Um representante israelense disse que muitas das resoluções eram repetitivas e desperdiçavam recursos valiosos.

“Agora somos apresentados a uma resolução em que nenhuma palavra foi mudada em anos”, disse um representante israelense.

Um representante dos EUA desmentiu a natureza tendenciosa do texto, dizendo que deslegitimou Israel. 

“Esta abordagem unilateral só mina a confiança entre as partes ‘, disse o representante dos EUA.

O representante da Autoridade Palestina agradeceu aos países que apoiaram a resolução, dizendo que se tratava de uma afirmação dos direitos dos palestinos ao território nas linhas anteriores a 1967. É necessária uma ação internacional urgente para fazer com que Israel cumpra o direito internacional, disse o representante.

Os países que se abstiveram da resolução incluem Austrália, Brasil, Camarões, República Centro-Africana, Chade, Costa do Marfim, Guatemala, Haiti, Honduras, Kiribati, Madagascar, Papua Nova Guiné, Samoa, Togo, Tonga e Tuvalu.

Todo o bloco da União Européia de 27 países, assim como o Reino Unido, votou a favor do texto.

Fonte: The Jerusalém Post.

19 de novembro de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário