Home Guerras Entra em vigor o 1º tratado para proibir as armas nucleares, ratificado por apenas 61 nações

Entra em vigor o 1º tratado para proibir as armas nucleares, ratificado por apenas 61 nações

autor: Últimos Acontecimentos

O primeiro tratado para banir as armas nucleares entrou em vigor na sexta-feira, saudado como um passo histórico para livrar o mundo de suas armas mais mortais, mas fortemente contestado pelas nações com armas nucleares do mundo.

O Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares agora faz parte do direito internacional, culminando em uma campanha de décadas com o objetivo de evitar a repetição dos bombardeios atômicos dos Estados Unidos em Hiroshima e Nagasaki no final da Segunda Guerra Mundial. Mas fazer com que todas as nações ratifiquem o tratado que exige que elas nunca possuam tais armas parece assustador, senão impossível, no clima global atual.

Quando o tratado foi aprovado pela Assembleia Geral da ONU em julho de 2017, mais de 120 o aprovaram. Mas nenhum dos nove países conhecidos ou supostamente possuidores de armas nucleares – Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, China, França, Índia, Paquistão, Coréia do Norte e Israel – o apoiaram, nem a aliança de 30 nações da OTAN.

O Japão, único país do mundo a sofrer ataques nucleares, também não apóia o tratado, embora os sobreviventes idosos dos atentados de 1945 pressionem fortemente para que o faça. O Japão por conta própria renuncia ao uso e posse de armas nucleares, mas o governo disse que perseguir a proibição do tratado não é realista, com países nucleares e não nucleares tão divididos sobre isso.

No entanto, Beatrice Fihn, diretora executiva da Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares, a coalizão ganhadora do Prêmio Nobel da Paz de 2017, cujo trabalho ajudou a liderar o tratado, chamou-o de “um dia realmente grande para o direito internacional, para as Nações Unidas e para os sobreviventes de Hiroshima e Nagasaki. ”

O tratado recebeu sua 50ª ratificação em 24 de outubro, iniciando um período de 90 dias antes de sua entrada em vigor em 22 de janeiro.

Na quinta-feira, Fihn disse à Associated Press que 61 países ratificaram o tratado, com outra ratificação possível na sexta-feira, e “a partir de sexta-feira, as armas nucleares serão proibidas pelo direito internacional” em todos esses países.

O tratado exige que todos os países ratificantes “nunca, em nenhuma circunstância … desenvolvam, testem, produzam, fabricem, adquiram, possuam ou armazenem armas nucleares ou outros dispositivos nucleares explosivos”. Também proíbe qualquer transferência ou uso de armas nucleares ou artefatos explosivos nucleares – e a ameaça de uso de tais armas – e exige que as partes promovam o tratado a outros países.

Fihn disse que o tratado é “muito, muito significativo” porque agora será um instrumento legal fundamental, junto com as Convenções de Genebra sobre conduta em relação a civis e soldados durante a guerra e as convenções que proíbem armas químicas e biológicas e minas terrestres.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse que o tratado demonstra apoio a abordagens multilaterais para o desarmamento nuclear.

“As armas nucleares representam perigos crescentes e o mundo precisa de ações urgentes para garantir sua eliminação e prevenir as consequências humanas e ambientais catastróficas que qualquer uso poderia causar”, disse ele em uma mensagem de vídeo. “A eliminação das armas nucleares continua sendo a maior prioridade de desarmamento das Nações Unidas.”

Mas não para as potências nucleares.

Enquanto o tratado se aproximava das 50 ratificações necessárias para desencadear sua entrada em vigor, o governo Trump escreveu uma carta aos países que o assinaram dizendo que cometeram “um erro estratégico” e instando-os a rescindir sua ratificação.

A carta dizia que o tratado “atrasa o relógio da verificação e do desarmamento” e colocaria em risco o Tratado de Não Proliferação Nuclear de meio século, considerado a pedra angular dos esforços de não proliferação.

Na época, Fihn rebateu que uma proibição não poderia prejudicar a não proliferação, uma vez que era “o objetivo final do Tratado de Não Proliferação”.

Daryl Kimball, diretor executivo da Associação de Controle de Armas, disse que a chegada do tratado foi um passo histórico nos esforços para libertar o mundo das armas nucleares e “esperançosamente irá forçar uma ação renovada dos Estados com armas nucleares para cumprir seu compromisso com a eliminação completa de armas nucleares.”

Fihn disse em uma entrevista que a campanha vê forte apoio público ao tratado nos países da Otan e uma pressão política crescente, citando Bélgica e Espanha. “Não vamos parar até que tenhamos todos a bordo”, disse ela.

Também fará campanha pelo desinvestimento – pressionando as instituições financeiras a pararem de dar capital a entre 30 e 40 empresas envolvidas na produção de armas nucleares e mísseis, incluindo Airbus, Boeing e Lockheed Martin.

Fonte: Times Of Israel.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

22 de janeiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário