Home Guerras Irã nomeia suspeita de ataque à usina nuclear de Natanz, diz que fugiu do país

Irã nomeia suspeita de ataque à usina nuclear de Natanz, diz que fugiu do país

por Últimos Acontecimentos
213 Visualizações

A televisão estatal iraniana no sábado nomeou um suspeito do ataque da semana passada que danificou centrífugas em sua unidade nuclear de Natanz e disse que ele fugiu do país.

Embora a extensão dos danos da sabotagem de 11 de abril permaneça obscura, ela ocorre no momento em que o Irã tenta negociar com as potências mundiais para permitir que os EUA voltem a seu acordo nuclear esfarrapado com potências mundiais e suspendam as sanções econômicas que enfrenta.

A televisão estatal nomeou o suspeito como Reza Karimi, de 43 anos. Ele mostrava uma fotografia tipo passaporte de um homem identificado como Karimi, dizendo que ele nasceu na cidade vizinha de Kashan, no Irã.

O relatório não detalhou como Karimi teria obtido acesso a uma das instalações mais seguras da República Islâmica. De acordo com relatos não fornecidos pela mídia dos EUA e de Israel, as linhas de força principal e reserva de Natanz foram explodidas por uma bomba de 150 quilos no início de 11 de abril, horas depois que o Irã começou publicamente a usar centrífugas IR-5 e IR-6 avançadas no local, em violação aberta do acordo nuclear internacional de 2015.

O relatório também levou ao ar o que parecia ser um “aviso vermelho” da Interpol pedindo sua prisão. O aviso de prisão não estava imediatamente acessível no banco de dados público da Interpol. A Interpol, com sede em Lyon, França, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A reportagem da TV disse que “ações necessárias” estavam em andamento para trazer Karimi de volta ao Irã por meio de canais legais, sem dar mais detalhes. O suposto “aviso vermelho” da Interpol listava seu histórico de viagens como incluindo Espanha, Emirados Árabes Unidos, Quênia, Etiópia, Catar, Turquia, Uganda, Romênia e outro país que era ilegível.

O relatório também mostrou centrífugas em um corredor, bem como o que parecia ser uma fita isolante nas instalações de Natanz.

Em Viena, as negociações continuaram sobre o acordo no sábado. O acordo de 2015, do qual o ex-presidente Donald Trump retirou unilateralmente os Estados Unidos em 2018, impediu o Irã de estocar urânio enriquecido em quantidade suficiente para ser capaz de perseguir uma arma nuclear caso optasse pelo levantamento das sanções econômicas.

O ataque de domingo, suspeito de ter sido executado por Israel, acendeu uma guerra sombria entre as duas nações. O Irã começou a enriquecer uma pequena quantidade de urânio com até 60 por cento de pureza – seu nível mais alto de todos os tempos, e a um curto passo do grau de armamento – em resposta a negociações em Viena que visam salvar seu acordo nuclear esfarrapado com potências mundiais.

Um alto funcionário iraniano confirmou na terça-feira que a explosão na instalação nuclear de Natanz, que Teerã atribui a Israel, destruiu ou danificou milhares de centrífugas usadas para enriquecer urânio.

Alireza Zakani, o chefe linha-dura do centro de pesquisa do parlamento iraniano, referiu-se a “vários milhares de centrífugas danificadas e destruídas” em uma entrevista à TV estatal. No entanto, nenhum outro oficial ofereceu esse número e nenhuma imagem das consequências foi divulgada.

O ataque de fim de semana em Natanz foi inicialmente descrito apenas como um blecaute na rede elétrica que alimenta oficinas acima do solo e salas de enriquecimento subterrâneas – mas depois as autoridades iranianas começaram a chamá-lo de um ataque.

Na segunda-feira, um oficial iraniano reconheceu que a explosão tirou o principal sistema de energia elétrica da usina

 e seu backup. “Do ponto de vista técnico, o plano do inimigo era bastante bonito”, disse Fereydoon Abbasi Davani, chefe do comitê de energia do parlamento iraniano, à televisão estatal iraniana na segunda-feira.

“Eles pensaram sobre isso e usaram seus especialistas e planejaram a explosão para que a energia central e o cabo de energia de emergência fossem danificados.”

Os comentários de Davani, o ex-chefe da organização de energia atômica do Irã, vieram à medida que relatórios em Israel e nos EUA forneciam novos detalhes sobre o bombardeio de domingo e suas consequências, com avaliações de que a explosão atrasaria os iranianos em 6 a 9 meses.

O New York Times noticiou que a explosão foi causada por uma bomba que foi contrabandeada para a usina e detonada remotamente. O relatório citou um oficial de inteligência não identificado, sem especificar se era americano ou israelense. Este oficial também especificou que a explosão destruiu o sistema elétrico primário de Natanz, bem como seu backup.

O relatório disse que o porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã, Behrouz Kamalvandi, disse que a explosão dentro do bunker havia criado um buraco tão grande que ele caiu dentro ao tentar examinar os danos, ferindo sua cabeça, costas, perna e braço.

No entanto, outras autoridades iranianas tentaram minimizar os danos na instalação subterrânea.

O chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, afirmou na segunda-feira que a energia de emergência já foi restaurada na usina e o enriquecimento continua.

“Uma grande parte da sabotagem do inimigo pode ser restaurada e este trem não pode ser interrompido”, disse ele à mídia iraniana, de acordo com o Times.

E na sexta-feira, autoridades iranianas, incluindo Salahi, disseram que o Irã agora está enriquecendo urânio a 60% em Natanz. Salehi disse que as centrífugas agora produzem 9 gramas por hora, mas isso cairia para 5 gramas por hora nos próximos dias. “Agora, qualquer enriquecimento [nível] é possível se decidirmos”, disse Salehi.

O enriquecimento para 60% marca uma escalada significativa e está a um curto passo técnico do urânio para armas. O Irã vinha enriquecendo até 20%, e mesmo isso era um pequeno passo em relação aos níveis de armamentos de 90%.

Mas analistas avaliam que o Irã só pode enriquecer em pequenas quantidades por enquanto, devido aos extensos danos ao site de Natanz.

Na sexta-feira, o noticiário do Canal 12 de Israel informou que Washington comunicou a Israel que a “conversa” sobre seu suposto envolvimento na explosão em Natanz deve parar, alertando que é perigoso e prejudicial, bem como embaraçoso para o governo Biden enquanto tenta negociar um retorno ao acordo nuclear com Teerã.

O relatório sem fontes disse que a mensagem foi transmitida a Jerusalém por vários canais nos últimos dias.

Israel não comentou oficialmente sobre a sabotagem na principal instalação de enriquecimento de urânio do Irã, que um funcionário iraniano disse que danificou ou destruiu milhares de centrífugas.

Mas tem havido muitas confirmações anônimas na mídia israelense e estrangeira por oficiais de inteligência não identificados, com relatos detalhados do ataque a bomba que supostamente cortou o fornecimento de energia para as centrífugas e causou grandes danos a algumas delas. E as autoridades, do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em diante, insinuaram a responsabilidade israelense.

Em meio ao aumento das tensões, o gabinete de segurança de Israel foi definido para se reunir no domingo pela primeira vez em cerca de dois meses e meio para discutir os acontecimentos recentes. As reuniões do fórum de alto nível são geralmente semanais, mas foram outra vítima da disfunção contínua no governo de divisão de poder do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e do ministro da Defesa Benny Gantz.

De acordo com o Canal 12, a última reunião ocorreu a pedido do Procurador-Geral Avichai Mandelblit, que alertou os ministros sobre as questões jurídicas decorrentes do fato de não se reunirem regularmente.

O Canal 13 informou que o chefe de gabinete do IDF, Aviv Kohavi, e o chefe do Mossad, Yossi Cohen, estarão na reunião de domingo, e que os ministros discutirão se devem realizar mais ataques contra o programa nuclear do Irã ou buscar calma. O relatório disse que Gantz é a favor de uma “abordagem ativa” sobre o Irã, mas também teme que a conversa sobre o assunto esteja causando “danos reais à segurança do estado” – tanto constrangendo os americanos quanto tornando mais difícil para o Irã se conter retaliando.

Gantz na segunda-feira pediu uma investigação de alto nível sobre os recentes vazamentos aparentes para a imprensa por oficiais israelenses sobre os ataques ao Irã, dizendo que eles estavam “prejudicando nossas tropas, nossa segurança e os interesses do Estado de Israel”.

Fonte: Times Of Israel.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

17 de abril de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário