Home Artigos Pórtico do templo de baal na Síria vai ser reconstruído pelos russos

Pórtico do templo de baal na Síria vai ser reconstruído pelos russos

por Últimos Acontecimentos
251 Visualizações

O mundialmente conhecido “Arco Triunfal de Palmira”, na Síria, destruído quase totalmente pelo Estado Islâmico há 6 anos, vai agora ser reconstruído pelos russos. Este arco era o que servia como pórtico de entrada para o antigo templo de Baal.

Um mês depois da visita do chefe da Igreja Católica Romana à antiga Babilónia e Assíria, a notícia agora revelada é a de que os russos irão contribuir para ajudar os sírios a reconstruírem aquele símbolo do paganismo milenar.

“(Manassés) tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai, tinha destruído, e levantou altares a Baal, e fez um bosque como o que fizera Acabe, rei de Israel, e se inclinou diante de todo o exércitos dos céus, e os serviu.” (2 Reis 21.3).

As antigas ruínas de Palmira, a cerca de 200 quilômetros a Norte de Damasco, eram uma grande atração turística, atraindo 105.000 visitantes por ano até ao início da devastadora guerra civil síria em 2011. Tanto o templo como grande parte da estrutura foram destruídos pelo Estado Islâmico em 2015. O Arco Monumental, uma peça central da estrutura que ficou quase completamente destruída, foi erigido durante o tempo do imperador romano Septimus Severus cerca do ano 200 d.C. Calcula-se que só ficaram 30 a 40% das pedras originais do arco.

O sírios já esboçaram os planos para a reconstrução, a qual tem sido atrasada devido à pandemia da covid-19, calculando-se que os estudos para a execução do trabalho fiquem prontos daqui a 6 meses. O trabalho será feito em cooperação entre o Ministério Sírio para a Cultura e a Associação da Indústria da Pedra da Rússia. Outras instituições russas estão envolvidas no projeto, entre as quais o Museu Hermitage em São Petersburgo, e o Instituto da História da Cultura Material da Academia Russa de Ciências. O projeto terá também o auspício da UNESCO.

O sítio foi um local de passagem vital da famosa “rota da seda”. O templo foi erigido no ano 32 d.C. para a adoração ao deus Baal. Os habitantes conhecidos mais antigos da região eram os amorreus, que ali viviam desde o segundo milênio a.C.

Existiam ali muitos monumentos, entre os quais o Templo de Baal (ou Bel). O templo agora conhecido foi construído sobre as ruínas de um antigo templo pagão datando do 3º milénio a.C. O templo conhecido, e o mais recente, foi dedicado no ano 32 d.C., e convertido em igreja cristã na época bizantina, tendo partes da estrutura sido adaptadas em 1132 para a construção de uma mesquita, tendo permanecido nesse estado até aos anos 1920.

O pórtico encontrava-se à entrada do templo utilizado para a adoração de Baal, um deus pagão referido mais de 90 vezes em toda a Bíblia, e também conhecido como Moloque. Baal tornou-se no arquétipo da adoração de ídolos. Os panteístas e deus adeptos adoravam a Mãe Natureza, negando a existência de um Criador. Os adeptos de Baal envolviam-se em orgias bissexuais e sacrificavam bebês, queimando-os vivos.

ANÚNCIO DA VINDA DO MESSIAS?

Segundo a tradição judaica, o arco de Palmira pode ser aludido como um sinal indicador da era messiânica. Um arco que é continuamente erigido e derrubado está descrito no Talmude. Os discípulos do rabino Yossi, filho de Kisma, questionaram-no, perguntando quando é que o filho de David (o Messias) iria aparecer. Ele respondeu: Temo que me peçais também um sinal. E eles asseguraram-no que não o fariam. Ele então disse-lhes: Quando este portão cair, for reconstruído e novamente derrubado, outra vez reconstruído e derrubado. E antes de ser reconstruído pela terceira vez o Messias surgirá.

O rabino Shlomo Yitzchaki, um preeminente rabino da época medieval conhecido pelo acrónimo Rashi, explicou essa parte do Talmude, afirmando que o arco descrito pelo rabino Yossi era “um arco romano numa cidade romana.” O arco em Palmira era realmente um arco romano de triunfo construído quando Palmira era uma cidade romana.

Fonte: Shalom, Israel!

17 de abril de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário