Home Guerras Netanyahu: Não estaremos limitados pelo ‘acordo do Irã que nos ameaça de aniquilação’

Netanyahu: Não estaremos limitados pelo ‘acordo do Irã que nos ameaça de aniquilação’

por Últimos Acontecimentos
73 Visualizações

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu advertiu na quarta-feira que Israel não será limitado por um acordo nuclear revitalizado entre as potências mundiais e o Irã, declarando que o Estado judeu é obrigado apenas a se defender daqueles que procuram destruí-lo.

Em um discurso no museu memorial Yad Vashem durante a cerimônia oficial do Dia em Memória do Holocausto em Israel, Netanyahu se referiu às negociações em Viena com o objetivo de trazer os EUA de volta ao pacto nuclear de 2015, ao mesmo tempo em que o Irã cumpre seus compromissos com o acordo que está se desfazendo.

“Um acordo com o Irã que nos ameaça de aniquilação não nos obrigará”, declarou Netanyahu.

“Ao contrário do passado, hoje não há ninguém no mundo que nos privará do direito e do poder de nos defendermos de uma ameaça existencial”, disse ele. “O acordo nuclear com o Irã está mais uma vez na mesa. Esses acordos com regimes extremos são inúteis.”

“Digo também aos nossos amigos mais próximos: ‘Um acordo com o Irã que nos ameace com a aniquilação não nos obrigará.’ Só uma coisa nos obrigará: impedir que aqueles que desejam nos destruir realizem seus planos”.

Netanyahu costuma usar seus discursos em eventos relacionados ao Holocausto para invocar o Irã como a nova ameaça existencial à existência do povo judeu.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que está pronto para reverter a decisão de seu antecessor Donald Trump de se retirar do acordo nuclear histórico de 2015, negociado para garantir que o Irã não desenvolva um programa nuclear militar, mas a Casa Branca insistiu que o Irã retorne primeiro ao cumprimento.

Teerã exige que os EUA retirem primeiro as sanções, impostas por Trump, colocando os lados em um impasse. Netanyahu se opôs ao acordo nuclear, conhecido como Plano de Ação Global Conjunto, desde o início.

Em seu discurso, o primeiro-ministro também criticou a decisão “ultrajante” do Tribunal Criminal Internacional de investigar Israel por potenciais crimes de guerra contra palestinos.

“O povo judeu estava indefeso diante dos nazistas, mas não está mais e tem todo o direito de se defender de seus inimigos”, disse ele.

O TPI, observou ele, foi formado à imagem dos tribunais dos julgamentos de Nuremberg que levaram os nazistas à justiça. Mas “de Nurenberg a Haia, as coisas foram viradas de cabeça para baixo. Um órgão formado para defender os direitos humanos tornou-se um órgão que na verdade defende aqueles que espezinham os direitos humanos.”

O presidente Reuven Rivlin, falando perante o primeiro-ministro, dedicou seu discurso aos 900 sobreviventes do Holocausto que morreram no ano passado no surto de coronavírus.

Tendo sobrevivido às atrocidades nazistas e à perigosa jornada a Israel nos anos entre o final da Segunda Guerra Mundial e o estabelecimento do Estado de Israel em 1948, “a última batalha de suas vidas eles lutaram sozinhos, atrás de máscaras e luvas, distanciados de seus entes queridos, sedentos de contato.”

“Esta noite nossos corações estão com eles e com suas famílias que estão aqui conosco”, disse Rivlin.

“O fardo da lembrança que carregamos em nossos corações é um dever sagrado”, disse Rivlin. “Quer queiramos ou não, a memória do Holocausto nos molda como nação. O Holocausto apresenta a nós e ao nosso país, o Estado de Israel, a missão infinita de recordar.”

A cerimônia de memória deste ano viu um retorno ao formato tradicional de uma reunião de dignitários, sobreviventes do Holocausto e suas famílias no Yad Vashem em Jerusalém. No ano passado, devido ao surto, a cerimônia foi pré-gravada sem audiência e transmitida posteriormente.

Os eventos de memória continuarão na quinta-feira, quando uma sirene soará por dois minutos às 10h, o que normalmente paralisa a vida ao ar livre israelense. Os pedestres ficam parados, os ônibus param em ruas movimentadas e os carros param nas principais rodovias, seus motoristas parados nas estradas com a cabeça baixa.

Às 11 horas, haverá uma cerimônia oficial no Knesset, durante a qual os legisladores lerão os nomes das vítimas do Holocausto.

O Dia em Memória do Holocausto é uma das datas mais solenes do calendário israelense. Os sobreviventes geralmente assistem a cerimônias de lembrança, compartilham histórias com adolescentes e participam de marchas memoriais em antigos campos de concentração na Europa.

Fonte: Times Of Israel.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

07 de abril de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário