Home Últimas Notícias O que está acontecendo no mundo?

O que está acontecendo no mundo?

autor: Últimos Acontecimentos

Muita coisa está acontecendo agora, e muito poucos entendem o que está acontecendo. Muito pouco. Meus colegas estão me pedindo para escrever algo do meu ponto de vista único. Meu forte é a arqueologia investigativa e, como rabino, tenho a tendência de pesquisar o que está por trás das cenas de uma perspectiva espiritual.

O vírus Corona está conosco há quase um ano. Escrevi um artigo anterior sobre as lições que podemos aprender com ele no início da pandemia. E agora, aparentemente, é hora da Parte II. Esta é a segunda onda que estamos experimentando quase um ano depois.

Vamos falar sobre as razões espirituais por trás do que está acontecendo. Quanto mais as pessoas pensam sobre o que está acontecendo, mais elas percebem que todos os efeitos só podem vir do próprio Deus. Há uma transformação acontecendo no mundo. Deus está preparando Seu mundo para o futuro, um futuro que contém a culminação do propósito humano. Porque agora? Porque o tempo está se esgotando. Deus também tem um calendário, repleto de uma lista de tarefas a fazer, e quando chega a hora e nós, humanos, não estamos fazendo o que devemos fazer, Ele não tem escolha a não ser agir e nos impor uma nova situação onde devemos nos adaptar e mudar. Há um calendário cósmico e estamos quase no ponto de viragem, que seria o 7º Milênio, também conhecido como o ano hebraico 6000. Estamos agora no ano de 5781 (mais 6 dias) da Criação e ainda há muito a ser feito! Depois de tudo, o Erev Rav (também conhecido como os descendentes espirituais da Multidão Mista que deixou o Egito com os Judeus) deve cair fora do poder, a reunião dos exilados Judeus deve acelerar, o Terceiro Templo deve ser construído, e a malvada nação Amalek (os líderes iranianos, o Hezbollah, etc.) devem ser destruídos. Tudo isso e o Messias tem que vir com isso! Esses eventos devem ocorrer dentro da estrutura de um curso de ação “natural”, como Maimônides diz no final de sua obra monumental, a Mishná Torá.

Há outra coisa que notei. Desde o início da Corona, não houve uma liderança real, espiritualmente falando. Quase não há grandes “gedolim” (sábios judeus devotos) nesta geração para liderar. Mesmo 30-40 anos atrás, ainda havia vestígios da última geração de tzaddikim (homens justos) vindos da Europa do lado Ashkenazi, e de Marrocos do lado sefardita. Eles teriam conhecido as razões espirituais por trás do que está acontecendo agora e, portanto, como lidar com esta pandemia, retificar o problema e, conseqüentemente, nos livrar dele. Agora, no entanto, é o rapazinho como você e eu que temos que ser justos. Uma das lições que podemos aprender com este estado em que estamos é que cabe a nós estar à altura da ocasião. Não sobrou nenhum líder religioso em quem confiar. O Papa afirmou na semana passada que os gays deveriam ter direitos iguais, pelo amor de Deus! E, de fato, isso também faz parte do Plano Divino. Devemos ver o que é bom e o que é ruim e fazer escolhas difíceis sobre que caminho seguir.

O que estamos vendo é um mundo se movendo na direção em que não haverá outra escolha a não ser confiar uns nos outros. Estamos todos no mesmo barco. E depois disso, no final do dia aqui em Israel, não haverá ninguém em quem confiar, exceto o próprio Deus. É o Seu mundo, não é, e Ele está lentamente retomando agora, junto com todos aqueles que são leais a Ele.

Dito isso, é muito importante observar que o impasse eleitoral na América hoje está intimamente ligado a tudo isso. A confusão abunda e ninguém sabe o que vai acontecer a seguir! Embora a grande mídia tenha forçado a todos que o senador Joe Biden é agora o presidente eleito, aparentemente os resultados das eleições estão tudo menos acabados. O presidente Trump tem quase uma dúzia de processos judiciais em andamento que acusam os democratas de atividade fraudulenta em uma série de estados indecisos que certamente alterarão os resultados, pelo menos na arena do Colégio Eleitoral. Só posso esperar que a onda Biden de “curar as feridas” continue APÓS Trump reconquistar essas áreas. Mas não aposte no celeiro!

Há um famoso comentário judaico sobre o Talmud (Rabeinu Asher – o ‘ROSH’) que viveu há centenas de anos. Em sua elucidação sobre o Tratado de Baba Metziah (ver página inicial do primeiro capítulo), ele escreve que quando duas pessoas reivindicam a propriedade do mesmo item, pode-se dizer qual pessoa tem a lei do seu lado (“hadin imo”) ao ver qual está pronto para realizar o maior auto-sacrifício (“mosrah nafsho”) para manter o objeto em sua posse, em comparação com aquele que pretendeu roubá-lo.

A razão por trás disso é que quem gostaria de roubar o item está pensando: por que eu deveria fazer tudo, quando pode vir à tona, hoje ou amanhã, prova de que minha reivindicação é uma fraude, e então ser tirado de mim de qualquer maneira. Não vale a pena todo o esforço! Esse é provavelmente o caso mais famoso de todos os tempos, ou seja, onde duas mulheres sobem ao trono do rei Salomão (que era adolescente na época), cada uma alegando que o bebê recém-nascido era seu.

Uma ficou com ciúmes, pois deu à luz um bebê na mesma época, mas este morreu, e este pertencente à outra mulher viveu. Todo mundo conhece a história daqui. O que o rei diz em sua grande sabedoria? Traga-me minha espada real! Ele então o levanta e proclama que agora vai cortar o bebê ao meio e dar a metade para cada uma das mulheres. “Alguma objeção?” Parece justo, não? Uma mulher então concorda e fica satisfeita com o decreto do rei, e a outra grita e diz: “Não, eu me enganei, é o bebê dela, deixe a criança viver!” Ahhhh, o Rei diz (apontando): “Esta é a verdadeira mãe.” O resto é história onde duas mulheres sobem ao rei Salomão em seu trono (que era adolescente na época), cada uma alegando que o bebê recém-nascido era seu.  O resto é história.

De fato! Agora ISSO é entender a natureza humana. Da mesma forma, vemos Biden e os democratas tentando roubar uma presidência que parecia estar na bolsa apenas 6 horas antes do fim do dia da eleição. E quem vemos lutando com todas as suas forças, tanto no tribunal quanto fora dele, com uma tremenda quantidade de auto-sacrifício? Donald Trump! O lado Biden optou por simplesmente ignorar as alegações de fraude eleitoral, votos sendo contados ilegalmente, máquinas com defeito, falhas de software, etc. e, em vez disso, declarar publicamente que essas coisas simplesmente não existem e foram simplesmente inventadas pela administração Trump.

Francamente, só pode ser que Deus esteja dando ao presidente Trump forças para suportar toda essa humilhação, vendo como Washington parece tê-lo jogado debaixo do ônibus. Porém, está tão fora do lugar, já que não há dúvida de que, quando você olha para o que Trump fez, é obviamente sem precedentes (como indiquei em meu artigo anterior) e notável em vários níveis. Ele pode realmente ser o maior presidente da história em relação a Israel e ao povo judeu. Se por acaso o Presidente estiver lendo isso, minha mensagem para ele é: NÃO CONCEDE. Nenhum discurso de concessão, por favor, porque como diz o ditado, ‘não acaba’ até que a senhora gorda cante ‘(claro, eu também diria a ele o quanto eu gostaria de ser seu conselheiro: os lugares sagrados de Jerusalém e o Monte do Templo)!

Fonte: Breaking Israel News.

16 de novembro de 2020.

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário