Home Arqueologia Bíblica Pergaminhos do Mar Morto: escriba misterioso escreveu oito pergaminhos diversos, descobrem estudiosos

Pergaminhos do Mar Morto: escriba misterioso escreveu oito pergaminhos diversos, descobrem estudiosos

por Últimos Acontecimentos
197 Visualizações

Cerca de 2.000 anos atrás, um escriba escreveu pelo menos oito dos manuscritos dos Manuscritos do Mar Morto, tornando-o o sofer mais prolífico já identificado, de acordo com um grupo de estudiosos.

Os Manuscritos do Mar Morto são um corpus de cerca de 25.000 fragmentos descobertos em cavernas nas margens do Mar Morto nas décadas de 1940 e 1950. Os artefatos incluem alguns dos manuscritos mais antigos da Bíblia, outros textos religiosos que não foram aceitos no cânone e escritos não religiosos.

Nos últimos anos, um projeto paleográfico baseado em inteligência artificial realizado por estudiosos da Universidade de Groningen, na Holanda, e apoiado pelo Conselho Europeu de Pesquisa, tem se concentrado em compreender mais sobre a identidade dos escribas que copiaram os manuscritos.

“Somos pioneiros na pesquisa de Qumran no nível do escriba individual”, disse a paleógrafa Gemma Hayes ao The Jerusalem Post no mês passado, após apresentar os resultados preliminares de sua pesquisa em uma conferência acadêmica em Groningen.

“O objetivo principal do meu trabalho tem sido usar inteligência artificial, um algoritmo de extração e análises estatísticas para testar 51 manuscritos que compartilham um estilo de caligrafia específico”, disse ela.

O estilo é conhecido como semiformal redondo.

“É uma caligrafia muito bonita que data do final do primeiro século AEC”, disse Hayes.

Os manuscritos analisados ​​pelos pesquisadores já haviam sido agrupados no passado. A célebre paleógrafa Ada Yardeni, que faleceu em 2018, sugeriu que cerca de 90 fragmentos de Manuscritos do Mar Morto com este estilo específico foram obra de um único indivíduo.

“[Yardeni] tinha um método”, disse Hayes. “Ela identificou a maneira específica como uma determinada carta, um lamed, foi escrita e argumentou que, com base nessa carta, você poderia agrupar todos esses manuscritos.”

Os pesquisadores não puderam testar todos os manuscritos que Yardeni agrupou porque alguns deles não apresentavam material suficiente para que a tecnologia pudesse examiná-los.

“Precisamos de uma certa quantidade de personagens”, disse Hayes.

Os resultados dos 51 artefatos testados foram muito significativos: O sistema reconheceu que oito dos manuscritos foram escritos pela mesma pessoa, tornando-o o escriba mais prolífico já identificado, além de demonstrar sua capacidade de trabalhar em dois idiomas.

“Um dos aspectos realmente interessantes de nossas descobertas é que esses manuscritos são muito diversos”, disse Hayes. “Encontramos sete manuscritos hebraicos e um manuscrito aramaico, os chamados manuscritos sectários associados à comunidade em Qumran e manuscritos não sectários, bem como alguns textos parabíblicos, incluindo aquele conhecido como o testamento de Naftali e alguns escritos sobre Rachel e Joseph.”

Entre os pergaminhos escritos por este autor individual está o icônico pergaminho Miqsat Ma’ase ha-Torah (MMT), considerado pelos estudiosos um documento fundamental da seita judaica que muitos estudiosos acreditavam ter vivido em Qumran.

Que a mesma pessoa escreveu textos de naturezas diferentes pode ajudar a lançar uma nova luz sobre a identidade desta comunidade e sua relação com o resto do povo judeu.

Os estudiosos de “As mãos que escreveram a Bíblia”, liderados pelo Prof. Mladen Popovic, chefe do Instituto Qumran da Universidade de Groningen, usaram seu algoritmo para reconhecer o fundo e o primeiro plano e para medir o movimento da escrita e da caligrafia.

O sistema permitiu-lhes estabelecer se os manuscritos que pareciam muito semelhantes foram realmente escritos pela mesma pessoa ou apenas no mesmo estilo.

“O fato de muitos escreverem de maneira semelhante pode potencialmente nos dizer algo sobre o treinamento que receberam”, disse Hayes.

Além dos oito manuscritos escritos pelo mesmo escriba, os demais foram escritos por pessoas diferentes, com uma possível exceção: dois fragmentos que poderiam ter sido escritos por apenas uma pessoa. Eles também são muito diversos e incluem alguns manuscritos bíblicos.

Hayes continua sua pesquisa e estuda as características ortográficas dos textos.

“Estou pensando em colocar carne e ossos neste escriba”, disse ela.

Fonte: The Jerusalém Post.

04 de maio de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário