Home Israel Por que Jerusalém é a cidade mais importante para o povo judeu?

Por que Jerusalém é a cidade mais importante para o povo judeu?

por Últimos Acontecimentos
93 Visualizações

Amos Oz disse uma vez que “Jerusalém é uma daquelas cidades que você pode chegar, mas nunca vai além”. Acho que muitos de nós compartilhamos desses sentimentos.

Certamente, como um povo, nunca passamos além de Jerusalém e, embora nosso tempo com ela fosse relativamente curto, nos deixou para sempre com cicatrizes e arruinados, incapazes de aceitar qualquer outro substituto. Ficamos sempre ansiosos por isso. Terminamos todos os serviços do Seder e do Yom Kippur com o refrão “Ano que vem em Jerusalém!” Mencionamos Jerusalém inúmeras vezes em nossas orações diárias. Não podemos comer uma refeição ou saborear um biscoito sem mencionar nossa esperança de retornar a Jerusalém na graça subsequente.

Nós, judeus, já tivemos romances com outras grandes cidades ao redor do globo – Alexandria, Pumbedita, Aleppo, Barcelona, ​​Fez, Vilna, Varsóvia e Nova York, para citar apenas alguns; mas eles nunca tomaram o lugar de Jerusalém.

Você pode pensar que foi nosso primeiro amor, e todos se lembram de seu primeiro amor, mas, infelizmente, o Tabernáculo ficou em Shiloh por quase quatro séculos, e não temos tal conexão com ele.

O que há em Jerusalém que nos atrai? Os sábios nos dizem que dez porções de beleza caíram para o mundo, e Jerusalém ficou com nove. E embora digam que a beleza está nos olhos de quem vê, acho que todos podemos dizer que isso não é nem objetiva nem factualmente verdadeiro. Tenho andado pelas ruas de muitas cidades no mundo, algumas, ouso dizer, mais charmosas do que Jerusalém. Eu andei por cidades na Europa que pareciam ter sido o cenário de um filme da Disney, e ainda assim, todas estão faltando em comparação com Jerusalém; mas não é a beleza que está faltando.

E embora o clima de Jerusalém, na minha opinião, supere o do resto de Israel, definitivamente há climas melhores e mais confortáveis ​​em outras cidades.

Então, novamente, o que há em Jerusalém que nos atrai tanto?

Eu, como muitos de vocês, não posso deixar de vagar pelas ruas de Jerusalém, tentando me perder em uma cidade que conheço muito bem. Tenho prazer em encontrar um novo beco. É a única cidade no mundo onde posso sentar em um banco sem um café ou mesmo uma cafeteria e apenas sentar e apreciar tudo. Adoro aprender sobre Jerusalém; até o mundano me fascina. Os nomes das ruas me encantam, e a descoberta de um novo prédio me encanta. Os sons e cheiros são diferentes de qualquer outra cidade do mundo.

Em Jerusalém, vejo o cumprimento de profecias de 2.800 anos. É um lugar onde o tecido entre o espiritual e o material é tão fino que tudo eleva.

Lembro-me, quando era adolescente, em uma viagem a Jerusalém, tentando não pisar nas tampas dos bueiros que tinham a palavra “Jerusalém” gravada nelas, por sentir que pisar na palavra “Yerushalayim” escrita em hebraico era algum tipo de profanação . Lembro-me de ter visto uma multa de estacionamento com o símbolo do Leão de Judá de Jerusalém impresso e fiquei pasmo. (Especialmente porque não fui eu que tive que pagar.)

As coisas deram certo para mim quando visitei Londres. E ainda, mesmo como um fã de história, eu não senti, nem discerni de ninguém, qualquer sentimento de admiração por estar andando pelas mesmas ruas que o rei Henrique V, o rei Carlos II, Oliver Cromwell, Ricardo Coração de Leão ou Shakespeare. Fiquei pasmo no Jefferson Memorial em Washington, DC, mas foi o monumento que fez isso, não o solo em si.

Então, em resposta à nossa pergunta, simplesmente não sei. Mas eu sinto isso.

O vencedor do Prêmio Nobel SY Agnon escreveu: “Há lugares em Jerusalém que conheço e já visitei, mas quando os encontro, sinto como se nunca tivesse estado lá antes. No entanto, em contraste, há lugares em Jerusalém que nunca visitei e quando os encontro, sinto que estou em casa.

“E porque tenho vagado pelas ruas de Jerusalém dia e noite, não tive tempo para estudar um ofício. Pior do que isso, eu não estudei Torá, e um judeu que não estudou Torá é advertido em seu coração: E o que você dirá no Dia do Juízo, quando eles perguntarem se você estudou Torá? ”

E o que vou dizer? Direi que estudei Jerusalém e o assunto não me censura.

O escritor tem doutorado em filosofia judaica e ensina yeshivot e midrashot em Jerusalém.

01 de maio de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário