Home Guerras Tensões aumentam na América do Sul enquanto os EUA realizam exercícios militares na Guiana

Tensões aumentam na América do Sul enquanto os EUA realizam exercícios militares na Guiana

por Últimos Acontecimentos
115 Visualizações

As tensões políticas e militares continuam crescendo na América do Sul. As atividades militares dos EUA na Guiana estão preocupando cada vez mais o governo de Nicolas Maduro. Há um alerta constante às tropas venezuelanas sobre a ameaça vinda da Guiana, onde o Comando Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM) está instalando uma base na América do Sul, cuja função é, junto com a Colômbia, atuar como cerco contra o regime bolivariano venezuelano.

A Marinha venezuelana iniciou recentemente uma intensa campanha de patrulhamento ao longo da costa atlântica, onde existe uma conexão marítima com a Guiana. Atualmente, a região está fortemente ocupada por tropas norte-americanas em decorrência dos exercícios militares do SOUTHCOM em território guianense, o que cria um cenário de tensões e instabilidade à medida que o número de agentes norte-americanos na fronteira e na costa venezuelana cresce exponencialmente. O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, em nota recente, qualificou as manobras dos Estados Unidos na região de provocação ao governo de Nicolás Maduro e ordenou que o Navio Hugo Chávez, uma das embarcações mais poderosas da Marinha Bolivariana, iniciasse uma patrulha intensiva no litoral.

Esses exercícios militares na Guiana compreendem um programa denominado “Tradewinds 2021”. De acordo com o site do SOUTHCOM, Tradewinds 2021 é um “exercício multidimensional com foco na segurança do Caribe conduzido nos domínios terrestre, aéreo, marítimo e cibernético”, no qual “as forças dos Estados Unidos se unirão às nações participantes para conduzir treinamento conjunto, combinado e interagências com foco no aumento cooperação regional em operações de segurança multinacionais complexas “. Ao todo, mais de 10 nações integram o programa, com diferentes forças armadas em manobras conjuntas para se preparar para situações reais de combate. No entanto, os EUA, que financiam o programa, são o país com maior efetivo militar. As atividades começaram no dia 13 de junho e, em tese, terminam hoje, 25, mas é improvável que a conclusão oficial dos testes signifique uma diminuição da presença militar dos EUA na região, tendo em vista que a estratégia dos EUA para a Venezuela é um plano de cerco constante.

Na verdade, o SOUTHCOM já está criando justificativas para manter o cerco à Venezuela. Em nota recente , funcionários do SOUTHCOM disseram que o tráfico de pessoas e drogas são os maiores desafios regionais para as forças armadas dos EUA na região da América do Sul e cometeram vários crimes contra a Venezuela, que é identificada por Washington como um país financiador de redes internacionais de tráfico de drogas. O almirante da Marinha dos EUA Craig S. Faller, comandante do SOUTHCOM, afirmou: “O que está acontecendo dentro da Venezuela é essencialmente um estado sem lei, com o ELN [Exército de Libertação Nacional], com as FARC [Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia], que estão ganhando território e que trabalham diretamente com o regime de Maduro para seu próprio benefício, apesar do sofrimento de seu povo ”.

É interessante notar como o discurso aponta que as organizações narcoterroristas colombianas têm forte influência sobre o governo venezuelano, o que parece absolutamente falso, considerando que as Forças Armadas Bolivarianas combatem com veemência o narcotráfico. Essa tática retórica parece buscar, além de difamar Caracas, uma justificativa para os laços estreitos entre o governo dos Estados Unidos e o governo colombiano, cujas ligações com o narcotráfico são explícitas. É uma forma de responsabilizar a Venezuela por problemas que dizem respeito exclusivamente à Colômbia, criando uma narrativa absolutamente diferente da realidade, mas que justifica as sanções e o cerco dos Estados Unidos à Venezuela.

No que diz respeito à reação venezuelana, as atitudes não se limitam às patrulhas marítimas. Ontem, 24 de junho, o país comemorou 200 anos de vitória na Batalha de Carabobo, onde Simón Bolívar derrotou as tropas coloniais e consolidou a independência nacional. Durante as comemorações, foi realizado um grande desfile militar, de proporções extraordinárias. Mais de mil veículos de combate foram exibidos durante o desfile. A cerimônia contou com a presença dos ex-presidentes da Bolívia e do Equador Evo Morales e Rafael Correa, além de soldados russos e cubanos e, ao final da cerimônia, o Ministro Vladimir Lopez pronunciou suas palavras contra a presença americana na América do Sul, destacando que a Venezuela continuará seguindo uma estratégia de integração regional soberana, considerando o princípio bolivariano da “Pátria Grande” (Grande Pátria). Disse que não se subordinará a colonialismos estrangeiros, repetindo a analogia entre o antigo domínio espanhol e a moderna ocupação norte-americana na América do Sul, retórica muito comum nos discursos de Chávez.

Acima de tudo, o desfile foi uma demonstração de força e serviu de mensagem para os Estados Unidos abandonarem qualquer estratégia belicosa e coercitiva, considerando que a Venezuela não se intimidará com tais medidas. Não há simetria nessa rivalidade. O cerco é real e a força americana é incomensuravelmente maior que a venezuelana. Mas Caracas não está absolutamente disposta a mudar qualquer ponto de seus planos. Também é improvável que Washington mude sua estratégia, mas o cerco certamente aumentará, principalmente no mar, com embarcações americanas ocupando toda a costa venezuelana para tentar impedir o fluxo de comércio com o Irã, que vem aumentando sua presença no Caribe. Isso tornará a demonstração de força constante e provavelmente evoluirá para estágios mais avançados de violência.

Fonte: InfoBrics

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

25 de junho de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário