Home Últimas Notícias Tensões entre EUA e Arábia Saudita aumentam

Tensões entre EUA e Arábia Saudita aumentam

por Últimos Acontecimentos
187 Visualizações

O compromisso ideológico de Joe Biden com os valores liberais ocidentais prometia recuperar velhas alianças dos EUA, que foram ameaçadas pelo nacionalismo de Trump – como no caso europeu. No entanto, a defesa rígida desses mesmos valores aparentemente também pode atrapalhar pontos importantes da política externa americana, destruindo outras alianças históricas, principalmente no Oriente Médio.

A Arábia Saudita, representante histórico dos interesses ocidentais no Oriente Médio, permanece incerta sobre o futuro de suas relações com os EUA, considerando a ascensão de Biden. Até agora, as autoridades sauditas não receberam nenhum contato do novo presidente americano. Não só isso: Washington já declarou que não fará uma ligação para o príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman e que qualquer assunto que necessite de diálogo será tratado diretamente com o rei Salman.

Para os sauditas, a atitude de Biden é uma verdadeira afronta e ameaça o futuro de uma amizade histórica entre os dois países. Para a ala ideológica do governo americano, porém, a atitude de Biden é justa e necessária, considerando que a América, como “protetora da democracia”, não pode manter laços estreitos com nações “violadoras dos direitos humanos”.

Aprofundando ainda mais a ruptura de seus laços com o Reino, Washington mudou completamente sua atitude em relação a um dos principais inimigos dos sauditas, os houthis. O governo americano revisou recentemente sua posição sobre os Houthis e parou de considerá-los uma organização terrorista. O caso surpreendeu a todos, incluindo os Houthis e outros inimigos dos EUA, que não esperavam tal reviravolta dos EUA. Porém, longe de representar uma possível solução para o conflito no Iêmen, a decisão americana tende apenas a causar mais problemas.

Mas nem todos os membros da elite política americana estão satisfeitos com esta situação. Os setores de defesa e inteligência estão preocupados com a atitude de Biden e procuram convencer o presidente da importância estratégica de manter relações amistosas com o reino saudita para garantir posições americanas no Oriente Médio. O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, falou ao telefone com o príncipe saudita, tentando amenizar as tensões e estabelecer uma diplomacia para garantir os interesses mútuos dos dois países. Obviamente, a ala ideológica do governo não gostou da atitude, e isso pode gerar tensões internas em Washington.

É importante ressaltar como, com Donald Trump, a Arábia Saudita estava mais segura, apesar de uma política muito menos intervencionista do que a planejada e prometida por Biden. O novo presidente tem uma retórica agressiva em relação ao Oriente Médio e promete aumentar o efetivo militar na região, mas não se preocupa com a preservação das antigas alianças e não hesita em criar novos inimigos. Biden interrompeu quase todos os acordos que Trump havia feito anteriormente com Riad, que incluíam principalmente a venda de tecnologia militar avançada para as forças de segurança. Por exemplo, o governo dos Estados Unidos anunciou recentemente o cancelamento da venda de 7.500 bombas guiadas para a Arábia Saudita, encerrando um acordo estimado em 500 milhões de dólares.

Diante da possibilidade de se tornarem um novo alvo das sanções americanas e de perder a proteção militar garantida por Washington nas últimas décadas, o que resta aos sauditas é buscar novos aliados. Em termos de fornecimento de armas e comércio militar, abundam as opções alternativas aos EUA. Rússia e China, por exemplo, certamente estarão dispostas a negociar preços justos, desde que as condições elementares de diplomacia sejam preservadas. Outra opção é estreitar os laços dentro do próprio Oriente Médio: diante da recente reaproximação entre árabes e israelenses, o Reino pode apertar as negociações com Israel e buscar o fornecimento de equipamentos militares como condição para a manutenção de um acordo de paz entre os dois países – e depois oposição para o Irã e os houthis seriam fortalecidos, com sauditas e israelenses como aliados.

Ainda assim, é preciso considerar que existe um antigo projeto do Conselho de Cooperação do Golfo para que os países do bloco criem uma aliança militar local, com o objetivo de se protegerem de possíveis ataques de seus inimigos regionais. O projeto está atrasado, mas as atitudes americanas podem levar a uma recuperação dessa ideia. Se isso acontecer, teremos um cenário curioso, onde o Golfo Pérsico assumirá um papel de crescente autonomia em relação a Washington e se afirmará no cenário internacional como um bloco econômico e militar independente. Biden certamente tentará impedir isso com sanções e bloqueios, mas ao mesmo tempo, ao sancionar essas nações, Washington as estará encorajando a fazer ainda mais negociações com outras potências e se tornarem cada vez menos dependentes do Ocidente.

Como podemos ver, o compromisso ideológico de Biden está causando uma série de mudanças estruturais na política americana, e que podem causar diversos problemas. O motivo pelo qual Biden está revisando sua posição em relação aos sauditas é a interminável lista de denúncias e acusações de violações dos direitos humanos no país árabe. Certamente, parte considerável dessas acusações é verdadeira, mas romper laços históricos em nome de causas humanitárias parece ser um passo irresponsável. Afinal, o que Biden fará com a violação estrutural dos direitos humanos no sistema jurídico americano, que a cada ano prende suspeitos de terrorismo sem direito a defesa? Se o novo presidente realmente deseja ser um defensor tão forte dessas agendas, ele terá que submeter seu próprio país a um julgamento internacional.

Em todo caso, isso mostra como a própria cruzada ideológica do presidente, na prática, conduz um processo de multipolarização ao romper laços históricos e forjar novas alianças.

Fonte: InfoBrics.

25 de fevereiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário