Home Guerras França aumenta hostilidades contra a China no Mar da China Meridional

França aumenta hostilidades contra a China no Mar da China Meridional

por Últimos Acontecimentos
141 Visualizações

A Marinha francesa anunciou dias atrás que o navio de assalto anfíbio Tonnerre e a fragata Surcouf partiram do porto de Toulon em 18 de fevereiro e viajariam para o Pacífico para uma missão de três meses. De acordo com o Naval News, os navios de guerra franceses passarão pelo Mar da China Meridional duas vezes e em maio participarão de exercícios militares conjuntos com os EUA, Austrália, Índia e Japão. A China criticou fortemente essa medida francesa.

O fato de a Marinha francesa ter enviado o Surcouf e a embarcação de desembarque multifuncional Tonnere para patrulhar o Mar da China Meridional, que fica a mais de 10.000 quilômetros da França, prova que a disputada região marítima é um dos mais importantes hotspots geopolíticos do mundo . Os franceses afirmam que a atenção está voltada para garantir a segurança da navegação, já que o Mar da China Meridional é uma ponte particularmente importante entre os oceanos Índico e Pacífico e tem influência na geopolítica e geoeconomia, não apenas na região da Ásia-Pacífico e do Indo-Pacífico, mas para o mundo inteiro.

Ao enviar navios de guerra modernos para a Ásia-Pacífico, a França provou que tem uma nova abordagem para o Vietnã, uma ex-colônia francesa. As recentes movimentações de Paris marcam o retorno dos franceses ao sudeste asiático, não como um invasor como no século anterior, mas como um país disposto a desafiar e provocar a China em seu próprio quintal. Isso é algo que também atrairia o Vietnã, já que há séculos de inimizade com a China, que continua até hoje e é muito mais profunda em comparação com a era colonial francesa da Indochina, de vida relativamente curta. Outro ponto a ser destacado é que a empresa francesa de energia Total é uma das parceiras mais importantes do Vietnã no setor de petróleo e gás. A empresa francesa está atualmente cooperando com o Vietnã e alguns outros países da região para explorar recursos.

Desde 2018, a França construiu uma estratégia Indo-Pacífico. A França é o primeiro país europeu a fazer isso. Além disso, em 2015 e 2017, os navios de guerra franceses também passaram pelo Mar do Sul da China. É provável que a França agora reforce sua posição contra as reivindicações de Pequim no Mar da China Meridional, aumentando a frequência de suas atividades na região, incluindo exercícios militares.

Quatro membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas enviam suas frotas em patrulhas irregulares ou periódicas no Mar da China Meridional, provando a importância desta região para a economia global e as superpotências mundiais. Deve-se enfatizar que ter uma grande potência de fora da região implantando suas armas modernas no Mar da China Meridional é uma grande provocação. A França, cujo território mais próximo do Mar da China Meridional é a Nova Caledônia, a mais de 6.500 quilômetros de distância, não tem motivos para se envolver nos problemas da região. Mesmo assim, os franceses provavelmente estão motivados a se interessar pelos assuntos do Mar da China Meridional para apoiar os planos de negócios da Total na área.

Nas palavras da Ministra da Defesa da França, Florence Parly, a patrulha de navios de guerra franceses no Mar da China Meridional é “evidência da capacidade da marinha francesa de implantar operações em áreas remotas a longo prazo com parceiros estratégicos”, fazendo referência aos EUA, Japão e Austrália. Pode-se ver que a França está pronta para fortalecer a cooperação com a QUAD, uma coalizão composta por Estados Unidos, Índia, Japão e Austrália, cujo objetivo é desafiar a China na região do Indo-Pacífico.

A França não é membro do QUAD; entretanto, o país europeu pode fortalecer seus laços com a aliança com base em acordos militares bilaterais assinados com os Estados Unidos e os outros três países. Por outro lado, a França é aliada dos EUA por meio da OTAN, na qual Japão e Austrália também são considerados grandes aliados não pertencentes à OTAN. O envio de dois importantes navios de guerra para o Mar da China Meridional mostra que a França está pronta para ficar ao lado dos EUA, Japão, Índia e Austrália em questões geoestratégicas, políticas e militares do Indo-Pacífico com foco contra a China.

Para os EUA, a introdução de navios de guerra franceses no Mar da China Meridional é um passo importante para o estabelecimento de uma aliança anti-China em escala global, não apenas em nível regional. Embora a China tenha denunciado essas provocações recentes provenientes de potências não regionais, ainda não revelou como elas podem responder.

Embora o Império Colonial Francês tenha desaparecido há muito tempo, Paris ainda está tentando manter sua influência global por meio de suas ex-colônias, não apenas no Sudeste Asiático através de países como o Vietnã, mas também na África, Pacífico Sul, América do Sul e Caribe. No entanto, apesar das antagonizações da França, Paris não tem capacidade para desafiar a China unilateralmente no Mar da China Meridional, por isso está contando com ex-possessões coloniais como o Vietnã e parceiros como os EUA, Austrália e Índia. Por enquanto, não há indicação de que a França conseguirá dissuadir a China de perseguir seus interesses no Mar do Sul da China.

Fonte: InfoBrics.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

25 de fevereiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário