Home Guerras Imagens de satélite revelam: Israel expandindo instalação nuclear enquanto o Irã se aproxima da bomba atômica

Imagens de satélite revelam: Israel expandindo instalação nuclear enquanto o Irã se aproxima da bomba atômica

por Últimos Acontecimentos
134 Visualizações

Um complexo nuclear clandestino israelense no centro do programa de armas nucleares não declaradas do país está passando pelo que parece ser o maior projeto de construção em décadas, demonstram imagens de satélite analisadas pela AP.

UM PROFUNDO ‘CAMPO DE FUTEBOL’

Uma escavação aproximadamente do tamanho de um campo de futebol e provavelmente alguns andares abaixo do solo agora fica a poucos metros do reator minguante do Centro de Pesquisa Nuclear Shimon Peres Negev, próximo à cidade de Dimona, no sul. O complexo é a sede de laboratórios secretos de décadas que reprocessam as hastes gastas do reator para obter plutônio para armas para o programa de armas atômicas do Estado Judeu.

O objetivo da construção, no entanto, não é claro. Israel mantém uma política de longa data de ambigüidade nuclear. Isso significa que Jerusalém não confirma nem nega ter capacidade para armas nucleares. Israel é um dos quatro únicos países que ainda não aderiram ao Tratado de Não-Proliferação, um acordo internacional cujo objetivo é conter a proliferação de armas nucleares.

A construção ocorre no momento em que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu faz várias ameaças veladas contra o Irã por suas ambições nucleares. O Israel365 News informou na quinta-feira que Netanyahu pediu ao Irã que considere o feriado de Purim como um conto de advertência caso o Irã vá em frente e almeje Israel com armas nucleares.

O FUNDO

Com a ajuda da França, Israel construiu secretamente suas instalações nucleares no final da década de 1950 no sul do deserto de Negev, perto da cidade de Dimona. Jerusalém escondeu o propósito militar do complexo da América por anos, até mesmo se referindo ao local como uma ‘fábrica têxtil’.

Israel é amplamente considerado uma das nove nações com armas nucleares em todo o mundo. Dado o sigilo de seu programa, ainda não está claro quantas armas possui em seu poder. Analistas estimam que Dimona possui material para pelo menos 80 armas. Essas bombas provavelmente poderiam ser lançadas por meio de aviões de combate, mísseis balísticos terrestres ou submarinos.

Por décadas, o layout das instalações de Dimona permaneceu inalterado. Mas, na semana passada, o Painel Internacional de Materiais Físseis da Universidade de Princeton afirmou que testemunhou “novas construções significativas” na instalação por meio de imagens comerciais de satélite.

TAMANHOS DOS BURACOS

As imagens mostram que a sudoeste da instalação, um buraco de aproximadamente 1.165 metros de comprimento e 65 metros de largura foi cavado. Uma trincheira medindo aproximadamente 360 ​​jardas é adjacente à escavação.

Cerca de 1,25 milhas a oeste das instalações, as caixas são empilhadas dentro de 2 orifícios retangulares que parecem ter bases de concreto. Esses tipos de blocos de concreto geralmente são usados ​​para embalsamar resíduos nucleares.

Outras imagens do Planet Labs indicam que a construção adjacente à instalação nuclear começou no início de 2019 e tem progredido lentamente desde então.

ESPECIALISTAS AVALIAM

Analistas disseram à AP que o reator de água pesada do reator está ativo desde 1960, o que é muito mais longo do que a maioria dos reatores do mesmo período. Isso pode afetar a segurança e a eficácia.

Analistas afirmam que esse tipo de preocupação com a segurança pode obrigar Jerusalém a desativar ou reformar o reator.

“Acredito que o governo israelense esteja preocupado em preservar e manter as atuais capacidades nucleares do país”, disse Avner Cohen, professor de estudos de não proliferação do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais em Monterey, que escreveu extensivamente sobre Dimona.

“Se de fato o reator de Dimona está se aproximando do descomissionamento, como acredito, seria de se esperar que Israel se certificasse de que certas funções do reator, que ainda são indispensáveis, sejam totalmente substituídas.”

Valerie Lincy, diretora executiva do Projeto Wisconsin de Controle de Armas Nucleares, com sede em Washington, deu a entender que as últimas evidências de expansão podem ter vazado intencionalmente, explicando que Israel tem a capacidade de impedir que imagens de satélite registrem sua atividade no local nuclear.

“Acho que o mais intrigante é … você tem um país que está muito ciente do poder das imagens de satélite e, particularmente, da forma como os alvos de proliferação são monitorados usando essas imagens”, disse Lincy. “Em Israel, você tem um alvo nuclear conhecido para monitoramento, que é o reator Dimona. Então você pensaria que qualquer coisa que eles quisessem manter sob o radar seria mantido sob o radar. ”

Se vazou intencionalmente, a mensagem poderia ser uma ameaça direta às ambições atômicas do Irã.

Fonte: Breaking Israel News.

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;…” Mateus 24:6

25 de fevereiro de 2021.

Postagens Relacionadas

Deixe um comentário